Apoiadores de Trump invadem Capitólio após confronto com a polícia - AFP
Apoiadores de Trump invadem Capitólio após confronto com a políciaAFP
Por AFP
Washington - O chefe de polícia do Capitólio dos Estados Unidos disse que a resposta criticada de seus agentes ao ataque ao prédio por uma multidão de apoiadores do presidente Donald Trump está sendo investigada.

Steven Sund, responsável pela agência encarregada de proteger a sede do poder legislativo, disse que os agentes esperavam uma concentração de pessoas que desejam exercer o direito à liberdade de expressão consagrado na Primeira Emenda da Constituição.

"Mas não se engane. Esses distúrbios em massa não são atividades da Primeira Emenda. Eles foram distúrbios criminosos", disse Sund em um comunicado.

A reação da Polícia do Capitólio foi severamente criticada. Segundo os observadores, o número de agentes parecia muito pequeno.

Eles foram rapidamente surpreendidos pelos manifestantes e demoraram a pedir apoio à Polícia Metropolitana de Washington; que normalmente não tem autoridade para agir em propriedades federais como o Capitólio.

A força policial do Capitólio está "conduzindo uma revisão exaustiva do incidente, dos planos de segurança, do policiamento e procedimentos", disse Sund.

O chefe da polícia de Washington, Robert Contee, disse que seu batalhão recebeu o pedido de ajuda às 13h, horário local, muito tempo depois que os manifestantes invadiram após pular barreiras.

"As coisas já estavam muito ruins na hora", disse Contee na quinta-feira.

"Foi um completo fracasso", disse Brian Schatz, senador do Havaí. "A destruição do nosso templo da democracia nunca deve acontecer novamente", acrescentou.

Uma mulher que tentava entrar no corredor do prédio foi baleada e morta por um policial do Capitólio.

O agente foi suspenso enquanto o incidente é investigado, disse Sund.

Ele observou que foi um dia caótico com vários incidentes simultâneos; que inclui a descoberta de duas bombas improvisadas.