Coronavac - Divulgação
CoronavacDivulgação
Por IG Saúde
Após a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), neste domingo (17), das vacinas Coronavac e de Oxford, pode ter surgido uma dúvida importante na cabeça de muitas pessoas: Quando eu vou poder tomar a vacina? 

A Campanha Nacional de Imunização vai respeitar fases, nas quais determinados grupos etários e profissionais receberão a imunização primeiro. Até o momento, o governo federal está distribuindo apenas as vacinas Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Fase 1
Data de início: Segunda-feira (18)

Nesta primeira fase, há uma expectativa de imunizar cerca de 14,8 milhões de pessoas, sendo elas profissionais da área de saúde, pessoas com mais de 75 anos ou com mais de 60 anos em casas de repouso, indígenas e povos ribeirinhos.

Durante coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira (18), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que adiantou o início da campanha, que antes estava marcada para começar na quarta-feira (20), para hoje, assim que os imunizantes chegarem aos estados.

Fase 2
Publicidade
Data de início: Segundo e terceiro mês após início da campanha, o que deve ocorrer, portanto, em abril e maio.

Nesta segunda fase, há uma expectativa de imunizar cerca de 22,1 milhões de pessoas, sendo elas idosos de 60 a 74 anos que não vivem em casas repouso ou centros psiquiátricos.

Fase 3
Data de início: Quarto mês após o início da campanha, o que deve ocorrer, portanto, em junho
Publicidade
Nesta terceira fase, há uma expectativa de imunizar cerca de 12,7 milhões de pessoas, sendo elas brasileiros com comorbidades, como diabetes, hipertensão arterial grave, doença pulmonar obstrutiva crônica, doença renal, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, indivíduos transplantados de órgão sólido, anemia falciforme, câncer ou obesidade grave.

Grupo prioritário
Data de início: A vacinação deste grupo deve ocorrer durante 12 meses após o início da fase 3 (que deve começar em junho)

Após a fase 3, começa uma nova etapa chamada de grupo prioritário, que deve contemplar cerca de 10 milhões de pessoas. Nesta fase, serão imunizados professores de todos os níveis, seja do setor público ou privado, agentes de segurança (policial federal, militar, civil, Forças Armadas, Bombeiros, agentes carcereiros), presos, quilombolas, moradores de rua, portadores de deficiência, dentre outros.
Grupo não prioritário
Publicidade
Grupo não prioritário
Data de início: A vacinação deste grupo deve ocorrer após a vacinação do grupo prioritário

A maioria das pessoas deve receber a vacina nesta fase, com cerca de 120 milhões de brasileiros para receber o imunizante. Aqui, pessoas menores de 60, que não estão em condição de vulnerabilidade, não atuam em profissões essenciais e não têm comorbidades serão as vacinadas.
Publicidade
Observação: O Ministério da Saúde ainda não traçou um plano detalhado com datas pelo fato da campanha ser muito longa e também depender dos estados e municípios, mas, vale lembrar, que a campanha tem início já nesta segunda-feira (18), à partir das 17h, conforme afirmou o ministro Pazuello.

Plano x realidade
Especialistas alertam que uma campanha de imunização desta magnitude requer tempo e precisão para ser bem sucedida. O epidemiologista José Geraldo acredita que a vacinação em toda a população não conseguirá ser feita completamente em 2021. Para ele, 2021 será um ano para vacinar os grupos de risco.

"Como nossas vacinas vão chegar, provavelmente, aos poucos e as duas vacinas licenciadas até o momento precisam de duas doses, eu acredito que o Programa Nacional de Imunização vai precisar de todo esse primeiro semestre para vacinar os grupos considerados essenciais", afirma.

E complementa: "Eu não acredito que teremos vacinas em 2021 para o restante da população (grupos sem risco), talvez em 2022", diz.