Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus
Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom GhebreyesusReprodução/Instagram
Por AFP
Genebra - A desigualdade no acesso às vacinas contra a covid-19 entre países ricos e pobres "aumenta" e se torna "grotesca", afirmou nesta segunda-feira (22) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.
"Em janeiro, declarei que o mundo estaria à beira de um catastrófico fracasso moral se não adotasse medidas urgentes para garantir uma distribuição justa das vacinas anticovid. Temos os meios para evitar este fracasso, mas é surpreendente o pouco que foi feito para evitá-lo", disse em coletiva de imprensa.
Publicidade
"A diferença entre a quantidade de vacinas administradas nos países ricos e a quantidade de vacinas administradas pelo Covax aumenta e se torna cada dia mais grotesca", destacou.
O sistema internacional Covax, criado especialmente pela OMS, busca abastecer com doses este ano 20% da população de quase 200 países e territórios e também conta com um mecanismo de financiamento para ajudar 92 países desfavorecidos.
Publicidade
"Os países que atualmente vacinam pessoas mais jovens, em boa saúde e baixo risco de contrair a covid-19, estão vacinando em detrimento da vida dos profissionais de saúde, dos idosos e de outros grupos de risco em outros países", criticou o chefe da OMS.
"Os países mais pobres se perguntam se os países ricos pensam realmente o que dizem quando falam de solidariedade. A distribuição não igualitária das vacinas não é só um escândalo moral, é também autodestrutiva econômica e epidemiologicamente", insistiu.
Publicidade
"Alguns países se apressam em vacinar toda a população enquanto outros países não têm nada. Isso pode dar segurança a curto prazo, mas é um falso sentimento de segurança", alertou.