Espectadores assistem a um concerto-teste a 30 de abril de 2021 em Braga, no norte de Portugal
Espectadores assistem a um concerto-teste a 30 de abril de 2021 em Braga, no norte de Portugal AFP
Por AFP
Após seis meses de estado de emergência sanitária, marcado por um inverno letal, Portugal deu início no sábado (1) à última fase de uma gradual flexibilização do confinamento que, até agora, não provocou uma nova onda da epidemia de covid-19.
A flexibilização das restrições sanitárias continua este fim de semana, com a reabertura da fronteira terrestre com Espanha, os primeiros shows de teste e o aumento do horário de funcionamento de cafés, restaurantes, lojas e espaços culturais.
Publicidade
"Isso me dá a sensação de recuperar a liberdade", disse Clara Nogueira à AFPTV, na fila para assistir a um concerto-teste com 400 espectadores em Braga, no noroeste do país, ao ar livre, mas com máscaras, distância social e controle de temperatura obrigatório.
As associações e promotores que montaram a operação esperam convencer as autoridades a continuarem a com a retirada das restrições para "salvar o verão" do setor cultural "enquanto aguardam alcançar a imunidade de grupo", explica um dos seus dirigentes, Álvaro Covoes.
Publicidade
Com uma incidência do coronavírus reduzida pela metade desde o início do desconfinamento, a 66 casos para cada 100 mil habitantes, Portugal ocupava a 93ª posição mundial neste sábado. No início do ano, o país estava no topo da lista.
Respeito "exemplar" das regras
Publicidade
Na sexta-feira não houve morte causada pela covid-19, o segundo dia desta semana. Era algo que não acontecia desde agosto de 2020. Desde o início da pandemia, o país de 10 milhões de habitantes registrou quase 17 mil mortes.
Com recordes diários de mais de 16 mil casos e 300 mortes, a onda violenta atingiu o pico no final de janeiro, provocando a saturação de muitos hospitais portugueses, mas foi também "uma das ondas mais rapidamente controladas do mundo", segundo o virologista Pedro Simas.
Publicidade
Isso se deve, segundo ele, a dois fatores principais: "respeito exemplar às normas de saúde e imunidade adquirida por 30 a 40% da população", por infecção ou vacinação.
Quase 22% da população portuguesa recebeu pelo menos uma dose da vacina e até ao final de maio todas as pessoas com mais de 60 anos, as mais vulneráveis, deverão ser vacinadas.
Publicidade
"Situação de calamidade"
Por este motivo, o governo pretende aliviar ainda mais as restrições em vigor, disse na quinta-feira o primeiro-ministro António Costa, embora tenha apelado à prudência porque "o país não pode considerar que a situação está resolvida".
Publicidade
Na madrugada de sexta para sábado, o estado de emergência foi reduzido em um nível, para uma "situação de calamidade". Este marco legal permite às autoridades manter fechados determinados setores de atividade, impor o uso de máscaras ou prosseguir com a obrigação teletrabalho quando possível.
Os controles nas fronteiras terrestres com a Espanha, restabelecidos desde o fim de janeiro, foram suspensos. Mas o ministério do Interior anunciou no sábado a prorrogação das restrições de viagens até pelo menos 16 de maio.
Publicidade
Até então, apenas viagens consideradas essenciais serão permitidas e viajantes procedentes de países com incidência superior a 500 casos por 100 mil habitantes, como o Brasil, devem respeitar a quarentena de 14 dias.