Capital da Rússia, Moscou é o epicentro do surto de coronavírus no país - Reprodução/Internet
Capital da Rússia, Moscou é o epicentro do surto de coronavírus no paísReprodução/Internet
Por AFP
Rússia - A Rússia registrou, nesta segunda-feira, um novo aumento no número de infecções diárias por coronavírus e já excede 145.000 doentes. Segundo dados oficiais, nas últimas 24 horas, houve 10.581 novos casos de covid-19, 52 a menos do que no recorde de domingo. Até o momento, a Rússia confirmou 145268 contaminados e 1356 mortes.

O coronavírus também infectou o primeiro-ministro, Mikhail Michustin, e o ministro da Construção, Vladimir Yakushev.  Enquanto muitos países europeus começam um desconfinamento gradual, a Rússia se tornou o país da Europa com o maior número de infecções diárias.

A taxa de mortalidade permanece baixa, no entanto, comparada à Itália, Espanha ou Estados Unidos. Segundo as autoridades, isso ocorre porque Moscou rapidamente ordenou o fechamento das fronteiras, realizou um bom número de testes de diagnóstico e acompanhou as contaminações. Porém, algumas vozes críticas questionaram os números do governo.

O país está se preparando para suspender progressivamente as medidas de contenção a partir de 12 de maio, conforme anunciado na semana passada pelo presidente Vladmir Putin, que reconheceu que a situação ainda era "difícil".

A cidade de Moscou, onde cerca de metade dos casos estão concentrados, é o epicentro da pandemia no país. Seu prefeito, Serguei Sobianin, indicou que a "ameaça continua a crescer" e pediu aos cidadãos que respeitem a quarentena e o isolamento social.