Américas do Sul e Central continuam como 'epicentro de transmissão', afirma OMS

Apesar de avanço em alguns países das Américas do Sul e Central, a transmissão ainda é muito intensa, afirma Diretor da OMS

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Apesar do contágio intenso do Coronavírus, praias do Rio de Janeiro continuam cheias
Apesar do contágio intenso do Coronavírus, praias do Rio de Janeiro continuam cheias -
Diretor executivo da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan afirmou que as Américas do Sul e Central continuam a ser "um epicentro da transmissão" da covid-19. Durante entrevista coletiva nesta quinta-feira, Ryan destacou que "muito trabalho ainda precisa ser feito para conter a transmissão e evitar a exposição no nível comunitário" na região.

Ryan considerou a situação regional "mista", mas com algumas nações com "transmissão muito intensa". "Ainda vemos uma situação muito desafiadora para os países", destacou. Ele lembrou que algumas comunidades indígenas e outras, em localidades mais distantes, enfrentam mais dificuldades para acessar os serviços de saúde na área.

Também presente na coletiva, a responsável pela resposta da OMS ao coronavírus, Maria Van Kerkhove, comentou sobre o quadro mais geral, em outro momento. Ela pediu que as pessoas sigam as recomendações já apontadas como bem-sucedidas no combate à pandemia, como o distanciamento físico e o uso de máscaras, a fim de evitar novos surtos da doença.

Comentários