Ativistas pró-Moscou proclamam a independência de Donetsk

Ucrânia acusa a Rússia de estimular um plano para desmembrar o país

Por marta.valim

Ativistas pró-Rússia invadiram principal prédio administrativo da cidade ucraniana de DonetskAlexander Khudoteply/AFP

Donetsk - Ativistas pró-Moscou entrincheirados no principal edifício da administração local de Donetsk, leste da Ucrânia, proclamaram nesta segunda-feira a criação de uma "república soberana" independente de Kiev, que, por sua vez, acusa a Rússia de querer "desmembrar" o país.

Diante desta situação, os Estados Unidos advertiram nesta segunda-feira que podem adotar novas sanções contra a Rússia e convocaram o presidente russo, Vladimir Putin, a parar com a desestabilização da Ucrânia.

"Estamos prontos para estabelecer novas sanções contra a economia russa", declarou o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney.

Segundo Carney, existiriam provas de que alguns manifestantes pró-russos teriam sido pagos e não viveriam na Ucrânia.

"Pedimos ao presidente Putin que ponha fim a seus esforços de desestabilizar a Ucrânia", acrescentou, advertindo que qualquer incursão de tropas russas no leste do país será considerada pelos Estados Unidos como uma perigosa escalada.

A tensão aumentou repentinamente no domingo na região leste da Ucrânia, perto da fronteira com a Rússia, quando manifestantes tomaram o controle de prédios oficiais - administrações locais ou de serviços de segurança (SBU) nas cidades de Kharkiv, Lugansk e Donetsk.

As ações nos edifícios aconteceram sem violência. As forças de segurança resistiram por pouco tempo em Donetsk durante a tarde, ante manifestantes com os rostos cobertos, antes de abandonar o local.

Os manifestantes substituíram imediatamente a bandeira da Ucrânia, azul e amarela, pela bandeira da Rússia, branca, azul e vermelha.

Após negociações, os manifestantes abandonaram a sede do governo de Kharkiv, mas os ativistas de Donetsk se recusaram a deixar o edifício. Na manhã desta segunda-feira, os ativistas organizaram uma assembleia durante a qual proclamaram a "República soberana" de Donetsk.

Ao mesmo tempo, um oficial ucraniano foi assassinado a tiros no domingo à noite em um incidente entre militares russos e ucranianos na localidade de Novofedorovka, na Crimeia, anunciou o ministério da Defesa da Ucrânia.

"República popular de Donetsk"

Um porta-voz dos manifestantes compareceu à entrada do edifício para falar com a imprensa e anunciou a decisão, mas os jornalistas não foram autorizados a entrar no prédio.

Além disso, um vídeo publicado no YouTube, apresentado como uma assembleia dos ativistas dentro do prédio administrativo, mostra um homem proclamando a independência da região.

"Buscando criar um estado popular, legítimo e soberano, proclamo a criação do estado soberano da República Popular de Donetsk", afirma em um megafone.

Segundo a agência Interfax, os manifestantes decidiram organizar um referendo de soberania regional antes de 11 de maio.

O site de notícias local Ostrov afirma que os ativistas pediram para integrar a Federação Russa.

Antes do anúncio, o governo ucraniano pró-Ocidente, que surgiu após a revolta que destituiu em 22 de fevereiro o governo pró-Moscou do presidente Viktor Yanukovytch, denunciou um plano russo para "desmembrar" o país.

"Há um plano para desestabilizar (o país), um plano para que as forças estrangeiras atravessem a fronteira e tomem o território do país, algo que não vamos permitir", disse o primeiro-ministro Arseni Yatseniuk durante uma reunião de emergência do governo.

"O roteiro está escrito pela Federação Russa e seu único objetivo é desmembrar a Ucrânia", completou.

Até o momento, as autoridades russas não se pronunciaram sobre as declarações nem sobre a repentina crise no leste da Ucrânia.

Desde a queda do regime pró-Moscou de Kiev, a tensão persiste entre os dois países. A crise entre Rússia e Ucrânia teve como consequência a anexação da república da Crimeia pela Federação Russa, após um referendo não reconhecido pelo governo ucraniano e os países ocidentais.

Para tentar apaziguar os ânimos, Kiev enviou o ministro do Interior, Arsen Avakov, a Kharkiv e o vice-primeiro-ministro responsável pela Segurança, Vitali Iarema, a Donetsk.

Em Kharkiv, uma correspondente da AFP constatou que os funcionários ucranianos trabalhavam normalmente, mas sob proteção policial.

Dezenas de manifestantes pró-Rússia permaneciam, no entanto, reunidos nas imediações. Andrii, de 28 anos, disse que "o povo foi as suas casas para descansar, mas que voltarão".

Gás e laticínios

Em plena crise política, a Ucrânia luta para sair de uma profunda crise econômica, cujas perspectivas pioraram depois que Moscou anunciou na semana passada um aumento de 81% no preço do gás fornecido à Ucrânia.

Kiev rejeitou a "pressão política" e agitou o fantasma de uma nova "guerra do gás", que poderia colocar em risco o abastecimento europeu.

A Rússia anunciou nesta segunda-feira a suspensão da importação de parte da produção de laticínios da Ucrânia.

A Bolsa de Moscou operava em baixa e a o rublo, a moeda russa, registrava uma forte desvalorização na comparação com o euro.

Os países ocidentais ameaçam a Rússia com novas sanções econômicas no caso de um ataque à integridade territorial da Ucrânia.

O presidente tcheco, Milos Zeman, estimou no domingo que, se as tropas russas entrarem no leste da Ucrânia, a Otan deveria intervir militarmente.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia