UE ameaça punir países que não realocarem imigrantes

Ideia é tirar dos países que recebem primeiro os estrangeiros, basicamente, Itália e Grécia, 'peso' da crise imigratória toda

Por clarissa.sardenberg

Itália - A União Europeia aumentou o tom e afirmou que poderá punir aqueles países-membros que não cumprirem o acordo de realocações de imigrantes. Segundo a porta-voz da entidade, Mina Andreeva, apenas 1% dos 160 mil estrangeiros que devem ser realocados já chegaram aos seus países de destino após oito meses de acordo.

Apesar de dizer que "houve progressos", Andreeva afirmou que o "ritmo de recolocações deve aumentar" porque o acordo é "legalmente vinculante", ou seja, os Estados-membros que assinaram precisam colocá-lo em prática imediatamente.

"Enviamos cartas de advertência [aos governos] e, se necessário, não nos envergonharemos em exercer os nossos poderes como guardiões do tratado", ressaltou a porta-voz.

Naufrágio de embarcação com imigrantes no MediterrâneoReprodução Internet

De acordo com dados da entidade, "até hoje, foram 1.816 pessoas realocadas da Itália e da Grécia". "Aquilo que vemos em termos de progresso é que, pela primeira vez, em uma semana, vemos realocações diariamente. É um sinal encorajante, mas os progressos devem aumentar", finalizou.

Os 160 mil estrangeiros precisam, de acordo com o documento assinado em setembro do ano passado, ser realocados até setembro de 2017. A ideia é tirar dos países que recebem primeiro os estrangeiros, basicamente, Itália e Grécia, o "peso" de lidar com toda a crise imigratória sozinhos. Porém, o plano sofre com grande resistência de diversos países.

Croácia, República Tcheca, Alemanha, Holanda, Polônia e Espanha, por exemplo, disponibilizaram menos de 5% das vagas combinadas.

Outras nações que se recusam a aceitar imigrantes realocados são Bulgária e Estônia. Já o grupo chamado de Viségraad, formado por Hungria, República Tcheca, Eslováquia e Polônia, faz oposição a qualquer iniciativa que pratique a solidariedade a quem foge de perseguições em suas nações de origem.

Só no ano passado, a Europa recebeu mais de um milhão de estrangeiros no maior deslocamento de estrangeiros desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). A maior parte dos imigrantes vem de áreas de conflito, como Síria, Iraque, Afeganistão e Eritreia, e busca uma vida mais segura na Europa.

Até o dia 29 de maio deste ano, mais de 204 mil pessoas já chegaram ao continente. Destes, 156,3 mil foram para a Grécia e 46,8 mil para a Itália. 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia