Quase 200 imigrantes são presos tentando viajar ilegalmente no Egito

Grupos de diferentes nacionalidades tentavam chegar à Itália

Por gabriela.mattos

Rio - A Guarda Fronteiriça do Egito deteve, neste sábado, 188 pessoas de diferentes nacionalidades que tentavam sair do país e viajar ilegalmente para a Itália através do Mar Mediterrâneo, informou a agência oficial de notícias "Mena". Um grupo de 169 pessoas foi detido na cidade de Roseta, no litoral mediterrâneo no norte do Egito, quando tentavam embarcar rumo à Europa.

A "Mena" detalhou que entre os emigrantes há 13 cidadãos egípcios, mas não revelou a nacionalidade dos demais. Segundo a agência oficial, os detidos admitiram ter estipulado com traficantes o pagamento de US$ 2 mil cada um pela viagem em navio do Egito à Itália.

Por outra parte, a Guarda Fronteiriça deteve na região de Guelim, na cidade litorânea de Alexandria, outros 19 egípcios que tentavam emigrar ilegalmente. Os emigrantes - quatro homens, quatro mulheres e 11 crianças - foram surpreendidos no litoral mediterrâneo quando esperavam um barco que lhes levaria à Itália, segundo a "Mena".

Pela rota do Egito à Itália viajam tanto os egípcios que querem ir à Europa na busca de trabalho e melhores condições de vida como outros emigrantes que chegam de países africanos, entre eles Sudão e Eritreia. As autoridades egípcias reforçaram o controle do litoral nos últimos dois anos devido à crise dos refugiados sírios, que em 2013 e 2014 também empregaram esta via para chegar à União Europeia (UE) ou para escapar do Egito, onde não eram bem-vindos.

Em toda a costa mediterrânea do Egito, sobretudo nos arredores de Alexandria, assim como na região do delta do Nilo, que desemboca no mar, operam máfias que traficam os emigrantes.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia