Imagem de menina negra isolada na pré-escola revolta mãe

Mulher usou o Facebook para denunciar racismo implícito na imagem. Ela recebeu foto e foi correndo buscar a pequena

Por clarissa.sardenberg

África do Sul - A mãe Mosinyi Wanatsha ficou revoltada ao receber da escola de sua filha uma foto em que a menina negra aparece isolada do grupo de colegas de classe, que são todos brancos, durante um lanche. Ela denunciou o racismo contra Nishani,de 1 ano e sete meses, no Facebook nesta quarta-feira e disse que apesar de imigrante e já ter morado em três continentes, nunca viveu nada parecido. O caso ocorreu na província de Gauteng, na África do Sul.

Foto de menina negra excluída revoltou mãe Reprodução Facebook

"Embora cada país tenha seus desafios, nada te prepara o suficiente para uma experiência tão horrível como a que foi retratada nessa foto. Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras. Para mim, essa falou palavras mais horríveis e prejudiciais do que já experimentei em meus 34 anos de vida e nos três continentes em que já residi", escreveu ela.

Após receber a foto, ela foi correndo ao local para buscar a pequena. Após protestar na página da escola, Mosinyi ainda teve sua publicação deletada, o que provocou ainda mais revolta.

Em resposta ao post de Mosiny, o diretor do colégio disse que "não foi racismo." Ele publicou uma imagem da menina sendo cuidada por uma professora, também negra, no entanto.

Segundo ele, havia apenas oito crianças no dia da aula e outra menina estava junto com Nishani, mas como não parava de chorar uma professora a tirou do local. "Isso ocorreu no momento da foto", justificou. Nada disso convenceu a mãe, especialmente porque o texto foi publicado em uma página para outros pais e não se dirigia a ela.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia