Papa condena ataque a hospital, no Paquistão, que matou várias pessoas

Atentado deixou pelo menos 70 mortos e mais de 100 feridos, nessa segunda-feira em Quetta, oeste do país

Por rafael.nascimento

Vaticano - O papa Francisco lamentou nesta terça-feira o atentado suicida realizado em um hospital em Quetta, no Paquistão, no começo na manhã dessa segunda-feira, que deixou aos menos 70 mortos e mais de 100 feridos. O papa definiu o ataque como "um brutal e sem sentido ato de violência".

O principal grupo talibã do país%2C o Tehreek-e-Taliban Paquistão (TTP)%2C assumiu a autoria do ataque%2C segundo a rede americana CNNReprodução/Globonews

Preocupado, o líder da Igreja Católica enviou uma mensagem às autoridades eclesiásticas e civis do Paquistão. "Profundamente entristecido ao saber das numerosas vítimas do ataque a um hospital em Quetta, o papa envia suas sinceras condolências aos parentes das vítimas, às autoridades e a toda a nação, enquanto garante suas orações pelos feridos desse brutal e sem sentido ato de violência", explicou o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin.  "O papa pede para todos que estão de luto e que foram afetados pela tragédia dons divinos de consolação e força", concluiu a mensagem.

Ao menos 70 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas nessa segunda, em um atentado suicida no hospital de Quetta. A explosão ocorreu pouco após o corpo de Bilal Kasi, um importante advogado da região, ter sido levado ao local. Ele foi morto em um tiroteio. O grupo extremista Jamaat-ur-Ahrar, ligado ao Talibã paquistanês, reivindicou a responsabilidade do ataque.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia