Presidente da Ucrânia alerta para possível invasão Russa ao país

Nas últimas 24 horas, três soldados do governo morreram em combates com as milícias separatistas no leste da Ucrânia, onde os conflitos são cada vez mais frequentes

Por rafael.nascimento

Kiev - O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, informou nesta quinta-feira que existem probabilidades de que a Rússia inicie uma guerra contra a Ucrânia, em meio a recente escalada de tensão entre ambos os países.

"A probabilidade de uma escalada do conflito continua sendo notável. Não descartamos uma invasão russa. Nossas Forças Armadas estão prontas para enfrentar o inimigo no leste -- do país -- e na fronteira administrativa com a Crimeia", disse Poroshenko na cidade de Lviv, reduto do nacionalismo ucraniano. Poroshenko acrescentou que, caso se confirmem as previsões, no leste ou na Crimeia, Kiev declarará "estado de guerra e mobilização" da população.

Petro Poroshenko e o ex-primeiro-ministro da Ucrânia, Arseny YatseniukReuters

Nas últimas 24 horas, três soldados do governo morreram em combates com as milícias separatistas no leste da Ucrânia, onde os conflitos são cada vez mais frequentes. "Esta madrugada foi registrado um número recorde de ataques. Quase uma centena. A maioria, com artilharia de grande calibre", lamentou o líder ucraniano.

Há uma semana, Poroshenko colocou seu exército em alerta máximo de combate após o presidente da Rússia, Vladimir Putin, acusar Kiev de preparar uma série de atentados contra a península da Crimeia.

Segundo Moscou, um grupo de sabotadores da inteligência militar ucraniana tentou entrar três vezes no território da Crimeia com o objetivo de "realizar atentados contra infraestruturas vitais". Como primeira reação, Putin rejeitou manter novas reuniões com o líder ucraniano no chamado formato Normandia, no qual dialogam diretamente os líderes dos dois países com mediação da Alemanha e França. "O inimigo não cessa em suas tentativas de torpedear o acordo de Minsk -- acordos de paz assinados em fevereiro de 2015 -- ao fazer declarações absolutamente irresponsáveis sobre sua saída do formato Normandia", respondeu hoje Poroshenko a Putin.

Um ano e meio após a assinatura dos acordos de Minsk, Kiev e os separatistas pró-Rússia foram incapazes de avançar no processo de paz e em manter o cessar-fogo. Enquanto Moscou e os rebeldes acusam o governo ucraniano de se negar a aplicar a parte política dos acordos, incluindo a concessão de um amplo autogoverno ao leste pró-Rússia, Kiev exige recuperar o controle da fronteira entre as regiões de Donetsk e Lugansk, e o território russo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia