Por clarissa.sardenberg
Publicado 01/11/2016 17:58 | Atualizado 01/11/2016 18:02

Estados Unidos - O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, ultrapassou a democrata Hillary Clinton em uma nova pesquisa divulgada nesta terça-feira, a uma semana das eleições marcadas para o próximo dia 8 de novembro. De acordo com a pesquisa realizada de forma conjunta entre o jornal "The Washington Post" e a emissora "ABC News", Trump tem 46% das intenções de voto contra 45% de Hillary.

A pesquisa, elaborada entre os dias 27 e 30 de outubro, entre 1.128 eleitores prováveis por telefone, indica que o candidato Gary Johnson, do Partido Libertário, obteve 3%. Já Jill Stein, do Partido Verde, registrou 2%. Essa é a primeira vez desde maio que o empresário supera a ex-secretária de Estado na pesquisa divulgada periodicamente por ambos os veículos de imprensa.

Donald Trump superou Hillary Clinton na preferência dos americanos, de acordo com última pesquisaEFE

Na última semana, Hillary liderava a disputa com 46% de apoio contra 45% de Trump. No entanto, a ex-primeira dama chegou a ter uma vantagem de 12 pontos percentuais para o adversário (50% a 38%). Um dado relevante divulgado nesta terça-feira pela pesquisa "Post/ABC" mostra que 53% dos entrevistados disse sentir um "forte entusiasmo" por Trump, enquanto apenas 45% afirmam o mesmo sobre Hillary.

A pesquisa aponta que 21% dos consultados já votou de forma antecipada. Outros 24% também planejam ir às urnas antes da próxima terça-feira ou enviar o voto por correio. Segundo o site "RealClearPolitics", que elabora uma média de todas as pesquisas publicadas no país, Hillary venceria Trump hoje com uma vantagem de 2,2 pontos percentuais. Pelo Twitter, o empresário republicano celebrou nesta terça o resultado da nova pesquisa. "Wow! Agora liderando na pesquisa de ABC e Washington Post.

Subindo 12 pontos em duas semanas, a maior parte antes de a Hillary desonesta explodir", escreveu Trump, em referência ao novo capítulo do escândalo de e-mails da rival. A ex-primeira-dama está pressionada e caindo nas pesquisas desde a sexta-feira, quando o diretor do FBI, James Comey, anunciou a reabertura das investigações sobre o uso de um servidor privado de e-mail para tratar sobre informações confidenciais quando Hillary era secretária de Estado, entre 2009 e 2013.

Os novos e-mails foram encontrados em um computador do ex-congressista Anthony Weiner, acusado de manter diálogos sexuais com menores de idade. Ele era casado com Huma Abedin, uma das assessoras mais próximas à candidata presidencial democrata.

Você pode gostar