Por tabata.uchoa

Rússia - Até então ‘melhores amigos de infância’, Donald Trump e Vladimir Putin assustaram o mundo ao darem a entender que a corrida armamentista ganhará velocidade ano que vem. A ‘novidade’ ganha ainda mais relevância diante do não milagre de São Genaro: há uma semana, o sangue em pó atribuído como sendo do santo não se liquefez, o que, na tradição católica, é prenúncio de uma catástrofe mundial.

Putin recebeu 1.400 jornalistas em megacoletiva na sexta-feiraEfe

Perguntado por um jornalista da BBC, Putin diz que a corrida armamentista começou quando os EUA saíram do acordo de defesa antimíssil. “A Rússia só tem de responder e responde de maneira justa e no quadro das suas obrigações”, afirmou. Trump retrucou: “Que haja uma corrida armamentista. Vamos derrotá-los em todas as etapas e vamos superar a todos.”

Depois, tentando botar panos quentes, Trump agradeceu a Putin pela “linda” carta de Natal, na qual o líder do Kremlin expressa o desejo de restaurar a cooperação bilateral para garantir a “estabilidade e a segurança do mundo moderno”. Em comunicado divulgado sexta, Trump agradece a Putin pela mensagem natalina e destaca que os pensamentos expressados pelo presidente russo na carta “estão corretos”. “Espero que ambas as partes sejam capazes de estar à altura desses pensamentos e não tenhamos que percorrer um caminho alternativo”, afirmou Trump.

Você pode gostar