Por tiago.frederico
Cães costumam se estressar com o som dos rojões e foguetesArte O Dia

Niterói - Há alguns meses, o Beethoven, o Lhasa Apso de 4 anos das minhas sobrinhas, se assustou com o barulho dos fogos de artifício na vizinhança, caiu da varanda no quintal e quebrou uma das patas. Mas já está recuperado, para nossa alegria.

Como os pets têm a audição muito apurada, eles costumam se estressar com o som dos rojões e foguetes. E é no Réveillon, tadinhos, a época do ano que eles mais sofrem. Com o susto, as reações podem ser várias: desde ataques aos donos e a outros animais, até fugas, ferimentos, quedas e até a procura desesperada por refúgio.

Em casos mais sérios, alguns podem, ainda, entrar em convulsão ou se enforcar na coleira, quando não conseguem rompê-la, para tentar fugir do barulho. Isso é muito sério, gente! Então, a coluna vai dar algumas dicas de como proteger os pets na hora que 2016 chegar, na quinta-feira.

"Cães escutam barulhos até quatro vezes mais distantes do que os humanos. A audição deles é muito aguçada e os barulhos intensos costumam causar sofrimento", explica Andressa Felisbino, médica veterinária da DrogaVet, maior rede de farmácias de manipulação veterinária do Brasil e pioneira no ramo.

Para evitar problemas já no primeiro dia do ano, ela indica treinamentos com sons gravados que, se tocados constantemente, ajudam o bichinho a aceitar o barulho de maneira mais tranquila. Uso de florais assim como outros medicamentos, segundo ela, ajudam a acalmar os animais. “Mas eles têm que ser receitados pelo veterinário”, avisa Andressa.

Se você estiver junto ao seu pet na hora dos fogos a recomendação é fechar as janelas e portas para diminuir o barulho. "Quando estiver próximo à meia noite, já inicie o fechamento. Isso abafará um pouco o barulho e diminuirá o sofrimento do pet", explica a veterinária.

No caso dos gatos, que costumam fazer escalada para se esconder, subindo em móveis e até pelas paredes para tentar fugir, a sugestão de Andressa é acomodá-los numa caixa de transporte. "Para que o animal fique mais confortável com a situação, é aconselhável que elas já tenham sido usadas pelos bichinhos, assim vão reconhecer o local como um ambiente familiar e seguro", afirma ela.

Mas, para tomar qualquer medida de proteção ao pet, Andressa aconselha aos tutores a consultar sempre o veterinário antes. “O ideal é sempre procurar o veterinário do animal para descobrir qual é a melhor opção de prevenção e tratamento. Dessa forma, donos e pets poderão curtir as festas sem estresse", finaliza Andressa. Então, aproveite as dicas e Feliz Ano Novo!

Coluna É o bicho!

Você pode gostar