Elymar Santos faz 30 anos de carreira com show no Teatro Municipal dias 6 a 8

Cantor comemora três décadas da memorável noite em que alugou e lotou o Canecão usando apenas recursos próprios

Por O Dia

Cantor e compositor carioca cantará hits próprios e sucessos de todos os tempos
Cantor e compositor carioca cantará hits próprios e sucessos de todos os tempos -
Niterói - O Teatro Municipal João Caetano recebe desta sexta até domingo o cantor Elymar Santos, que apresentará "Elymar 30 Anos", espetáculo que comemora os 30 anos do primeiro show que alavancou sua carreira. No espetáculo, o artista mescla antigos sucessos, como "Escancarando de vez", "Taras e manias", "Gruda em mim" e outros, a grandes sucessos que marcaram sua trajetória, como "Tango pra Tereza", "Como nossos pais" e "Agonia".
As apresentações acontecem nesta sexta-feira às 20h, no sábado às 19h e domingo às 18h. O ingresso custa R$ 100 (com direito à meia entrada os estudantes, os idosos e os portadores de necessidades especiais, todos devidamente documentados). A duração do show é de 120 minutos e a classificação etária é livre. O Teatro Municipal fica na Rua XV de Novembro nº 35, Centro (em frente ao Plaza Shopping). O telefone para maiores informações é 2620-1624.

Criado no Complexo do Alemão, Elymar trabalhou como ajudante de feira e cantor de churrascaria, entre outras atividades, antes de se consagrar no meio dos maiores nomes da MPB. Até que em 1985 ele resolveu alugar o Canecão, mais famosa casa de shows do país na época, contraindo uma dívida de antigos 40 mil cruzeiros (o equivalente hoje a R$ 200 mil) - dívida que saldou com a bilheteria daquela mesma noite. A seu favor, Elymar tinha algumas aparições no "Cassino do Chacrinha" e em "A Grande Chance", programa da extinta TV Tupi apresentado por Flávio Cavalcante. Naqueles dias, Maria Bethânia fazia uma temporada no local. No segundo show dele, a cantora estava na plateia e fez questão de ir até o camarim cumprimentá-lo. Um ano depois, chegava às lojas seu primeiro LP: "Elymar no Canecão".

Em 1988, Elymar participou do musical "Evita", em São Paulo, no papel de Che Guevara, cuja atuação lhe rendeu o prêmio de melhor ator. O primeiro a apostar no sucesso do artista foi Cauby Peixoto. Os dois viraram amigos. Já um artista consagrado, em outubro de 2016 comemorou aniversário com a gravação de um DVD no Vivo Rio, que teve as participações de Alcione, Dudu Nobre, Mumuzinho, Fundo de Quintal, Imperatriz Leopoldinense, Roberta Miranda, Neguinho da Beija-Flor, Diogo Nogueira, Leny Andrade, Ivete Sangalo, Padre Omar, Altay Veloso, Alexandre Pires, Cezinha do Acordeon, Fafá de Belém e Zeca Pagodinho.

O samba sempre caminhou lado a lado com esse leopoldinense de coração. Em 2014 Elymar assinou, em parceria com mais quatro amigos, a composição "Arthur X: O Reino do Galinho de Ouro na Corte da Imperatriz", que homenageou o jogador Zico na Marques de Sapucaí. Em 2019, o cantor ganhou novamente o samba que a Imperatriz desfilou: "Me dá um dinheiro aí". Ele próprio já havia sido enredo das escolas cariocas Em Cima da Hora (1991) e Império da Tijuca (1998) e das agremiações paulistas Camisa Verde (1999) e Acadêmicos do Tucuruvi (2000). Em 2010, recebeu um prêmio do mundo do samba. O troféu, que levava seu nome, foi entregue pela ala de compositores da escola de samba carioca União da Ilha do Governador.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários