Niterói Jovem Ecosocial recebe kits pedagógicos para continuar atividades

Atualmente, 400 jovens com idades entre 16 e 24 anos, moradores de 11 comunidades, participam do projeto

Por O Dia

Nesta quinta-feira, receberão o kit o primeiro grupo de 172 jovens, a fim de evitar aglomerações, com cronograma definido por ordem alfabética
Nesta quinta-feira, receberão o kit o primeiro grupo de 172 jovens, a fim de evitar aglomerações, com cronograma definido por ordem alfabética -
Niterói - Os participantes do projeto Niterói Jovem EcoSocial receberão, a partir desta quinta-feira (18), um kit pedagógico que irá auxiliar o trabalho de campo à distância, que é conduzido pelo Instituto Moleque Mateiro. Desde o início da pandemia do coronavírus, quando as aulas presenciais foram suspensas, os alunos seguem um cronograma semanal de atividades on-line, porém nem todos eles têm acesso livre à internet. O kit pedagógico é composto de uma ecobag, uma apostila e um pen drive com videoaula, que vem acompanhado de um adaptador para que os jovens consigam conectá-lo ao celular. Nesta quinta, receberão o kit o primeiro grupo de 172 jovens, a fim de evitar aglomerações, com cronograma definido por ordem alfabética. A distribuição acontecerá das 10 às 16 horas, em três pontos da cidade.
Atualmente, 400 jovens com idades entre 16 e 24 anos, moradores de 11 comunidades niteroienses, participam do projeto. O Niterói Jovem EcoSocial acontece em duas etapas: o curso profissionalizante ministrado pelo Sesi/Senai e o trabalho de campo realizado pelo Instituto Moleque Mateiro. “Percebemos a limitação do acesso à internet de alguns desses jovens e, por isso, faremos a distribuição dos kits pedagógicos”, explica o diretor do Instituto Moleque Mateiro, Pablo Araújo. Neste período, os jovens permaneceram recebendo a bolsa no valor de R$ 750 concedida pela Firjan. Em abril, eles também receberam uma cesta básica, e uma nova entrega deverá acontecer nas próximas semanas para aqueles que não estão inscritos em outros programas de auxílio emergencial da Prefeitura.
Integrantes do projeto que moram no Santo Inácio, Preventório, Cavalão, Vital Brazil e Souza Soares retirarão o kit na sede da Federação das Associações de Moradores de Niterói (Famnit), em Santa Rosa. Aqueles que residem no Morro do Estado e do Arroz deverão buscar o material na sede da Defesa Civil, no Centro. E os oriundos da Vila Ipiranga, Morro do Céu, São José e Holofote o pegarão no Horto do Fonseca.
"Como o projeto tem como alvo jovens em situação de vulnerabilidade social, é de extrema importância que eles se sintam acolhidos pelo poder público neste momento tão delicado. Desde o início da pandemia, houve a determinação da gestão municipal para que não se poupasse esforços para garantir a segurança alimentar destes jovens”, enfatizou o assessor técnico da Subsecretaria Executiva da Prefeitura de Niterói, Renato Lutterback. “Os jovens do projeto estão sempre em contato conosco perguntando sobre quando poderão estar de volta às salas de aula. Isso mostra que o objetivo do projeto está sendo alcançado: eles estão com sede de aprendizado".
O projeto – O Niterói Jovem EcoSocial foi concebido pela Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Modernização da Gestão (Seplag), através do Pacto Niterói Contra a Violência, em parceria com a Firjan e o Instituto Moleque Mateiro e é gerenciado pela Secretaria Executiva. A iniciativa tem como objetivo promover a inclusão social e econômica de jovens em situação de vulnerabilidade social, por meio de educação, profissionalização e práticas em projetos ambientais, valorizando e contribuindo para a sustentabilidade dos territórios onde residem. O projeto tem dois eixos principais: qualificação profissional e atividade de campo. Para isso, os jovens participam de um curso ministrado pela Firjan no contraturno escolar, recebem a formação pelo Instituto Moleque Mateiro e atuam em ações da Prefeitura, em áreas como Reflorestamento, Gestão de Recursos Hídricos, Manejo de Parques e Defesa Civil.

Para participar do projeto, o aluno deve estar matriculado e/ou cursando o ensino regular ou EJA (Educação de Jovens e Adultos); ser oriundo da escola pública e/ou bolsista integral de escolas privadas; ter terminado o ensino médio em escola pública ou com bolsa integral em escola privada. Os cursos profissionalizantes são ministrados e certificados pelo Senai Niterói, em áreas de qualificação como eletricista de automóveis; mecânico de motocicletas; auxiliar de padaria e confeitaria; pizzaiolo; instalador hidráulico residencial; assistente administrativo; montador e reparador de computadores; costureiro industrial de vestuário; entre outros. Além disso, o objetivo do trabalho de campo é que esses jovens possam contribuir como agentes de transformação de seus territórios no que tange à sustentabilidade ambiental.

Comentários