Felipe Peixoto (PSD) diz em live que quer a Linha 3 do Metrô

O pré-candidato criticou o número de secretarias e administrações regionais, prometendo cortar pela metade, enxugando a máquina da prefeitura

Por O Dia

Em live exclusiva do jornal O DIA, o pré-candidato à prefeitura de Niterói pelo PSD, Felipe Peixoto, afirmou que a questão da mobilidade na cidade é, na verdade, um problema de imobilidade. Ele citou, entre outros, dois projetos que seriam importantes para chegar a uma solução: o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e a Linha 3 do Metrô: "A Linha 3 custa menos do que a Linha 4, construída para a Barra, e transportará o dobro de pessoas", disse, explicando que é necessário um aporte com apoio estadual ou federal porque a prefeitura não teria como fazê-lo sozinho.
Questionado sobre qual seria sua prioridade caso seja eleito, Felipe afirmou que será ajustar a cidade à econômica pós-pandemia. O pré-candidato disse que sempre sonhou ser prefeito e, depois de experiências na gestão pública (como ter sido três vezes vereador e duas vezes secretário estadual), além de ter disputado eleições em que por duas vezes chegou ao segundo turno, ele se sente preparado para o desafio. Reafirmou que o problema de mobilidade é prioridade, mas que o novo prefeito precisa de um programa ousado de retomada econômica, ouvindo comerciantes e integrantes de outras atividades.
Logo no começo da entrevista, Felipe já tinha apontado que "vamos enfrentar uma situação muito grave no ano que vem", com desemprego e queda de arrecadação, mesmo com a prefeitura tendo o royalties como fonte de recursos.
A entrevista foi conduzida pelo colunista de política Sidney Rezende e pela jornalista Irma Lasmar.
Felipe iniciou sua participação se solidarizando com as famílias e amigos dos mais de 200 mortos por covid-19 em Niterói. Além de mobilidade, falou muito sobre saúde. Elogiou algumas ações da atual gestão no que diz respeito ao combate à pandemia, mas apontou pontos que deveriam ter sido levados em conta como a criação de "janelas" para a reabertura temporária de setores do comércio, de modo a evitar que chegassem a um ponto de quebrar financeiramente porque os estoques venceram. Ele também disse que faltou transparência, por exemplo, na divulgação da taxa de ocupação de leitos no município. Mais adiante, comentou que a prefeitura arrendou o Hospital Oceânico, quando ele teria desapropriado. O pré-candidato criticou a rede municipal de saúde por praticamente não ter profissionais nas áreas como de oncologia e cardiologia.
Perguntando por um internauta por que Niterói tem um dos IPTUs mais caros do Brasil, Felipe disse que uma questão fundamental é quando o cidadão não vê a contrapartida do que ele paga espelhada na cidade, na limpeza das ruas, nas calçadas sem buracos. Ele afirmou que há, nos valores do IPTU, injustiças que precisam ser revistas.
Sobre educacação, o pré-candidato defendeu o ensino integral: "Não tem outro caminho para o país que não passe pela educação". Ele criticou que há muitas crianças sem creches, e que isso será revisto se ele for eleito. Ao responder sobre segurança pública, prometeu estender o programa Niterói Presente, atualmente concentrado em algumas regiões, a toda Niterói: "Vamos levar para todas as regiões da cidade". A maior distribuição terá um impacto, levando os índices de criminalidade a despencar ainda mais, afirmou.
 Um ponto fundamental de seu discurso na live foi a crítica ao número excessivo de secretarias e administrações regionais na atual gestão. Ele garantiu que as cortará pela metade e buscará qualidade nos serviços, porque atualmente são balcões de reclamação, mas que não resolvem os problemas apresentados pela população.

Comentários