Carnaval 2020 - Desfile da Escola de Samba do Grupo da Série A, G.R.E.S Acadêmicos do Cubango no Sambódromo da Marquês de Sapucaí, no centro da cidade do Rio de Janeiro nesta sábado (22). Foto: Estefan Radovicz/Agência O Dia - Estefan Radovicz / Agencia O Dia
Carnaval 2020 - Desfile da Escola de Samba do Grupo da Série A, G.R.E.S Acadêmicos do Cubango no Sambódromo da Marquês de Sapucaí, no centro da cidade do Rio de Janeiro nesta sábado (22). Foto: Estefan Radovicz/Agência O DiaEstefan Radovicz / Agencia O Dia
Por O Dia
Niterói, Rio - Como consequência da pandemia do novo coronavírus, alunos de escolas públicas, em sua maioria de baixa renda, ficaram impossibilitados de estudar. Foi pensando nisso que a Acadêmicos do Cubango lançou o projeto #EducaCubango. A iniciativa da escola de samba visa ajudar os estudantes a se preparar para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Para viabilizar o projeto, a agremiação vai recrutar profissionais da área da educação que queiram trabalhar de forma voluntária para a transmissão online das aulas. O #EducaCubango também terá palestras com a intenção de tranquilizar os alunos para tirar um pouco do peso que é fazer o vestibular. Diretor coreográfico da escola, Pablo Guerreiro comentou o projeto.

"Queremos ajudar essas pessoas a chegarem às universidades. Queremos provar, acima de tudo, que preto e pobre também tem o direito de estudar, que pessoas periféricas podem, sim, ter um diploma de ensino superior. Também quero que tenhamos a adesão de professores pretos, inclusive mulheres, para que essas pessoas sejam inspiração não só para jovens, mas para aqueles que têm o sonho de estudar adormecido ou colocado num canto por conta do preconceito", disse Guerreiro, que emendou:

"Precisamos de profissionais e parceiros que estejam dispostos a nos ajudarem nesse projeto. Já temos alguns professores cadastrados, mas precisamos de mais profissionais. Nós iremos oferecer as aulas através do Facebook, mas pensamos em, mais para a frente, utilizar uma plataforma mais específica para ministrarmos essas aulas. Também buscamos apoio de empresas que queiram doar materiais escolares para os alunos, que nos ajudem a imprimir material e disponibilizar para os alunos em nossa sede, que possam pagar internet para esses jovens", completou.

O projeto, que está programado para ter início em meados de agosto, foi dividido em três fases: convocação de profissionais, convite para parceiros e cadastro de alunos. O presidente da agremiação, Rogério Belisário, acredita na importância do projeto para a comunidade.

“O Acadêmicos do Cubango é uma escola que leva muito a sério a temática afro, principalmente porque nossos componentes são, em sua maioria, pessoas pretas, e queremos que essas pessoas saibam que nosso lugar é onde a gente quiser. Sabemos que, para além da pandemia, os jovens periféricos quase sempre não têm acesso a esse tipo de conteúdo e queremos usar as nossas redes para ajudá-los de alguma maneira”, analisou Belisário.