Recanto centenário localizado no Engenho do Mato pertence aos descendentes do quilombola Manoel Bonfim - Arquivo
Recanto centenário localizado no Engenho do Mato pertence aos descendentes do quilombola Manoel BonfimArquivo
Por Irma Lasmar
Niterói - Localizado no Engenho do Mato, o centro cultural Quilombo do Grotão promoverá neste domingo (26) uma festa virtual com show de samba ao vivo e sua famosa feijoada à lenha, desta vez em sistema de entrega em domicílio. O evento à distância respeita o decreto municipal que proíbe aglomerações de pessoas e cujo isolamento social ainda não foi flexibilizado para casas de shows e festas presenciais em geral. A transmissão acontecerá a partir das 13h pelas páginas web.facebook.com/quilombodogrotao e web.facebook.com/PrefeituraMunicipaldeNiteroi e as encomendas da feijoada acontecem até meio-dia pelo telefone 99650-2825 ou 97202-3850. Na programação musical estão Carlinhos 7 Cordas, André Jamaica, Mariana Braga e Família Quilombo. A live tem o apoio da Prefeitura através da Secretaria das Culturas e da Neltur.
Espaço de perpetuação dos saberes e das práticas ancestrais do povo negro, o emblemático Quilombo do Grotão é uma tradicional comunidade situada no Engenho do Mato, dentro de uma área de preservação ambiental. O local, rústico e acolhedor, decorado com itens que reverenciam a memória africana, como imagens de orixás e panelas de barro, promove atividades culturais afrobrasileiras que atraem muitos visitantes, como feijoada à lenha, rodas de samba, capoeira, jongo e eventos religiosos, além de aulas de percussão e artesanato. Por isso, o ambiente é objeto de pesquisa em Antropologia, Direito e Botânica de universidades públicas e privadas.
Publicidade
O lugar foi fundado por Manoel Bonfim e sua esposa Maria Vicência, descendentes de escravizados, que vieram do estado do Sergipe na década de 1920 para trabalhar na fazenda que mais tarde daria nome ao bairro, responsável pela produção de farinha, banana prata e hortifrutigranjeiros. Nos anos 1950, o negócio faliu e os dois ganharam como indenização um pedaço do terreno e duas mil mudas de banana. Porém, em 1956, as imobiliárias lotearam o espaço e começaram a erguer imóveis tão desordenadamente que o Governo do Estado precisou interferir, determinando em 1960 que as terras ocupadas pelo casal continuassem com eles.
O Quilombo do Grotão chega ao século XXI sob a administração do neto do fundador Manoel Bonfim, José Renato Gomes da Costa, presidente da Associação da Comunidade Tradicional do Engenho do Mato (Acotem). O dinheiro dos eventos é revertido em obras de saneamento, sinalização e sustentabilidade. Em 2016, o lugar foi reconhecido pela Fundação Palmares, órgão federal de preservação da cultura ancestral africana, que certificou sua autenticidade quilombola. Hoje, o Quilombo do Grotão se consolida como reduto da representatividade e resistência negra na cidade, zelando por conhecimento, valorização e respeito.
Publicidade