Prefeito Rodrigo Neves: 'É o primeiro projeto de sistema de jardins filtrantes do Brasil' - Divulgação / Luciana Carneiro
Prefeito Rodrigo Neves: 'É o primeiro projeto de sistema de jardins filtrantes do Brasil'Divulgação / Luciana Carneiro
Por O Dia
NITERÓI - Foi assinada ontem (22) a ordem de início para as obras do Parque Orla Piratininga (POP), um projeto da Prefeitura de recomposição vegetal e despoluição da orla da lagoa, abrangendo uma área de mais de 150 mil metros quadrados. Um dos diferenciais do parque é a implantação de um sistema de gestão de águas pluviais composto por bacias de sedimentação, jardins filtrantes, jardins de chuva e biovaletas para a captação e o tratamento das águas provenientes dos rios e da rede de drenagem das principais bacias contribuintes à Lagoa de Piratininga.
O prefeito Rodrigo Neves destacou que, apesar de a gestão das lagoas ser de responsabilidade do Governo do Estado, a Lagoa de Piratininga é um patrimônio da cidade. E que, por isso, a Prefeitura somou esforços para construir uma solução para o local, através do projeto POP. “Esse projeto foi concebido por uma equipe multidisciplinar de dezenas de técnicos e já foi premiado na Europa como um programa inovador na recuperação de corpos hídricos. É o primeiro projeto de sistema de jardins filtrantes do Brasil. Nós vamos devolver à cidade uma área que, sem dúvida, vai ser um dos locais mais especiais de lazer e convivência das famílias de Niterói. E vai gerar renda e emprego para a cidade, já que teremos um museu e parques, além de permitir a retomada da atividade da pesca”, garantiu o prefeito.
Publicidade
Serão cerca de 10 quilômetros de sistema cicloviário ao longo de toda a orla da lagoa, quatro píeres de contemplação e seis píeres de pesca, três mirantes e 17 áreas de lazer, sendo três delas com quadra de esportes, além de brinquedos e academia de ginástica. O local ainda abrigará um museu. O acesso ao parque será favorecido para pedestres e ciclistas. Cerca de cinco minutos de caminhada vão separar os pontos da Transoceânica às principais entradas do POP. Será possível caminhar de um lado a outro do parque, em um trajeto que demorará cerca de 1h50 para ser percorrido a pé. A cada, no máximo, 15 minutos de caminhada, os visitantes encontrarão pontos de informações, lazer e contemplação.
"É um projeto muito importante para a cidade. Com o Parque Orla Piratininga, vamos devolver, inteiramente revitalizada, um dos grandes ativos de Niterói", ressaltou a secretária de Planejamento, Orçamento e Modernização da Gestão, Ellen Benedetti.
Publicidade
A coordenadora do programa Região Oceânica Sustentável, Dionê Marinho Castro, destacou que o projeto do Parque Orla de Piratininga, além de fazer jus ao potencial paisagístico da área, é um projeto de tratamento do meio ambiente. “Um exemplo será o tratamento das águas vindas dos rios Jacaré e Cafubá, que são as maiores bacias contribuintes que deságuam na lagoa. A água dos rios cairá na bacia de sedimentação, será encaminhada para os jardins filtrantes e daí seguirá para a lagoa já tratada. A partir da macrodrenagem, teremos também a implantação de jardins de chuva. A água de chuva vai passar por esses jardins e cair na lagoa já tratada”, explicou a coordenadora.
"O Parque Orla Piratininga é um projeto pioneiro e inovador, que utiliza soluções baseadas na natureza. É uma mudança de paradigma que vai deixar um legado extraordinário para a cidade", afirmou o secretário municipal de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade, Eurico Toledo.

Em maio, a Prefeitura lançou uma consulta pública a fim de receber propostas de possíveis interessados no desenvolvimento de experimentos no local, aplicando tecnologias inovadoras destinadas à redução da camada de lodo na lagoa de Piratininga. A intenção é, com base nas propostas, elaborar o Termo de Referência para contratação das tecnologias inovadoras através da Encomenda Tecnológica (Etec).  
Publicidade