Mais Lidas

Professores: uma homogênea mistura de vocação com devoção

Muito mais que uma profissão, um chamado de amor

Por Luciana Guimarães

Muito amada pelos alunos, Tia Carla está sempre tentando inovar nas aulas para manter os estudantes estimulados
Muito amada pelos alunos, Tia Carla está sempre tentando inovar nas aulas para manter os estudantes estimulados -
Niterói - Difícil olhar pra trás e não recordar daquele professor que marcou nossas vidas. Aquele, que fez muito além de ensinar didaticamente português ou matemática. Seja pelas palavras de incentivo, seja pelo carinho acolhedor com que permearam nossa infância, sempre tem um educador que arranca um sorriso do rosto ao ser lembrado.
No nosso histórico escolar e emocional, todos temos pelo menos um desses profissionais que deixaram marcas profundas e lições que perduram diariamente, mesmo que inconscientemente.
O dia dele está chegando e esses mestres merecem ainda mais nossa admiração e respeito. Mais do qualquer outra profissão, os professores se viram envoltos em um turbilhão de novidades e tendo que se desdobrar para continuarem exercendo com maestria esse "chamado" que é o lecionar. Em meio à vídeos para youtube, aulas em grupo e a saudade da sala de aula, eles se depararam com a exaustão e a incerteza características do momento atual.
O que as crianças aprendem nos seus anos de formação pode moldar os homens e mulheres que eles se tornarão mais tarde. Bons professores tornam as experiências educativas dos seus alunos bem sucedidas, mesmo sob condições adversas. Bons professores podem ajudar a adquirir aprendizagens e competências, e acima de tudo: formam cidadãos de bem, que são gentis, empregam a empatia e podem fazer diferença em um mundo que, definitivamente, precisa de olhares mais sensíveis.
Muito querida no meio acadêmico, seja por colegas de profissão, seja por alunos e pais, graças ao seu jeito carinhoso, dedicado e entregue; a professora Carla Babo, da escola Tempo de Aprender em Icaraí, já viu centenas de jovens se formarem e guarda ela também, uma recordação de cada um deles. "A gente quer que eles nos guardem no coração, que mesmo adultos lembrem não só das lições, mas de cada ensinamento e que sejam pessoas felizes. Eles são um pouco nossos filhos também, a gente torce e vibra com as conquistas. Eu não escolhi ser professora, a vida de professora que me escolheu e prezo muito o que faço.", declara, emocionada.
Ana Luiza e Letícia, ambas de 7 anos, alunas da docente, se derretem ao falar dela. 
"Sinto falta de encontrar tia Carla e poder abraçá-la. Ela ensina tudo pra gente e eu gosto muito dela. Mas adoro que mesmo com o coronavírus, ainda posso vê-la na minha tela do computador.", conta Ana Luiza.
Letícia reforça o coro: "Eu queria ter mais aulas e poder conversar mais com ela. Quando acaba o tempo, fico morrendo de saudade e ansiosa pelo próximo encontro virtual da gente."
Em suma, um bom professor é um modelo para os seus alunos que tendem a segui-lo, mesmo que involuntariamente, em muitos aspectos. Ele trabalha autoestima, dá asas às competências e ambições e deixa um legado. De valores, de caráter e de esmero.
"Está claro agora que a experiência educacional é, mais do que uma mera transmissão de conhecimentos, um processo de interação social e interpessoal entre alunos e professores, e entre estes e pais, em que as ações são de fundamental importância e interferem em aprendizado, evolução, sociabilidade e construção de cada ser.", afirma a pedagoga Christiane Brantes.
Incansáveis, apesar da pandemia, mesmo em casa, continuam trabalhando e cumprindo suas jornadas de trabalho, engajados em fazer com que os alunos não fiquem tão prejudicados em relação ao calendário acadêmico. E simultaneamente tentando fazer com que esses estudantes não percam o interesse nas aulas. Uma tarefa árdua, principalmente para os menores.
"No começo o difícil foi entender como alcançar as crianças no conteúdo e mantê-las entusiasmadas e envolvidas. Agora é manter cada um encorajado e impelido, sempre respeitando suas particularidades que precisam ser entendidas e levadas em consideração. Ensinar é transmitir o que tenho de melhor, quero deixar em cada um deles um pouquinho de mim, da minha experiência e tenacidade.", relata Fernanda Brigagão, outra fascinada pela profissão.
A estudiosa Beatriz, de 7 anos, senta para assistir os vídeos, mas é somente quando a "tia" aparece em cena, que os olhos da menina brilham: "Ela está sentindo muita falta da professora, das brincadeiras, do ambiente lúdico que ela sempre trouxe pra minha filha. Agora, com aulas on-line, os dias que ela sabe que verá a tia Thayane, são os que a deixam animada.", conta a mãe, Cristina Baptista. 
Não se sabe ainda como será o futuro pós covid, mas o que dá pra saber é que os professores continuam sendo uma “ferramenta” de esperança aos nossos estudantes, mostrando a eles que um novo horizonte está por vir. Mas, sobretudo é necessário reconhecer que a valorosa atuação de cada um deles é importante em nossa sociedade ontem, hoje e sempre.

Galeria de Fotos

Muito amada pelos alunos, Tia Carla está sempre tentando inovar nas aulas para manter os estudantes estimulados Imagem Arquivo Pessoal
As demonstrações de carinho e agradecimento são muitas Imagem Arquivo Pessoal
As demonstrações de carinho e agradecimento são muitas Imagem Arquivo Pessoal
As demonstrações de carinho e agradecimento são muitas Imagem Arquivo Pessoal
A encantadora Beatriz considera a parte favorita das aulas conversar com a Tia Thayane Imagem Arquivo Pessoal
Para Fernanda, ensinar é uma tarefa que a professora de matemática exerce com muita afeição e empenho Imagem Arquivo Pessoal
Maria Luiza adora interagir com a professora, a admirada Tia Carla Imagem Arquivo Pessoal
Tia Carla em ação com a pequena Letícia: estima e experiência para lidar com cada aluno Imagem Arquivo Pessoal
Professor: mediador, facilitador e articulador do conhecimento e afeto Imagem Arquivo Pessoal

Comentários