Mais Lidas

Ford Fusion com essa Coca-Cola toda

Acordo entre a montadora e a fábrica de refrigerantes destina material reciclável das PETs

Por leandro.eiro

Rio - Diversos são os fabricantes de automóveis que já utilizam compostos ‘verdes’ na produção em série de veículos. Porém, uma nova gama de materiais ecologicamente corretos vem sendo testada pela indústria automotiva para definitivamente entrar na cadeia de produção.

Tudo a ver%3A o Fusion Hybrid é um dos mais econômicos do mundo e usa materiais derivados das PETS de origem orgânica%2C produzidas pela CocaDivulgação


Um exemplo é a parceria entre a Ford e a Coca-Cola, que mostraram o Fusion Energi no Salão de Los Angeles. Este tem como base a versão Hybrid do sedã e usa garrafas PET orgânicas — o plástico é proveniente de plantas — no revestimento interno.

Tendo como principal objetivo mostrar o potencial de aproveitamento de materiais renováveis em substituição ao petróleo, o Fusion Energi utiliza o conceito PlantBottle Technology, criado pela Coca-Cola para fazer garrafas plásticas de água. Este consiste na utilização de materiais oriundos de plantas, em substituição ao tereftalato de polietileno — polímero feito a base de petróleo.

Além de garrafas PET, a indústria automotiva também faz uso de outros materiais. É o caso da fibra de madeira, do óleo de soja na confecção da espuma de bancos e da sílica na fabricação de pneus com baixa resistência ao rolamento. A folha de bananeira é testada pela americana Lincoln para desenvolver tapetes.

Bagaço de cana nos plásticos e fibra de coco nos bancos do Uno Ecology Divulgação


Foco no meio ambiente

Além de materiais ‘verdes’, a indústria automotiva tem criado tecnologias para diminuir o consumo de combustível. São diversos equipamentos testados para obter mais eficiência energética.

A Renault, por exemplo, trabalha no desenvolvimento de sedãs com vidro traseiro incorporado à tampa do porta-malas. Assim, ficariam 2,5 kg mais leves que os convencionais.

Já a McLaren estuda abolir o limpador de para-brisas com o mesmo sistema usado em aviões militares. Este poderia emitir ondas de 30 kHz sobre a superfície do vidro e impediria o contato de detritos, água da chuva ou neve.

McLaren quer eliminar o limpador de para-brisa dos seus carrosDivulgação


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia