Promotor pede recompensa para informações sobre pagodeiro foragido

Evandro Gomes Correia Filho é acusado pela morte da ex-mulher Andréia Cristina Bezerra Nóbrega

Por tamyres.matos

São Paulo - O promotor Rodrigo Merli do caso do pagodeiro Evandro Gomes Correia Filho, acusado pela morte da ex-mulher Andréia Cristina Bezerra Nóbrega e por tentativa de homicídio contra o filho Lucas, enviou um ofício na última quinta-feira ao secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Fernando Grella Vieira, solicitando que seja fixado um título de recompensa a quem fornecer informações válidas para a localização do réu.

No documento, o representante do Ministério Público afirma que o pedido se justifica: “pela sensação de impunidade em feito de grande notoriedade (“Caso do Pagodeiro Evandro”), pelo tempo prolongado de fuga do acusado (quase cinco anos), pela dificuldade da Divisão de Capturas em dar cumprimento ao mandado de prisão expedido, pela ousadia do foragido em questão, bem como pela necessidade de se incentivar a população em geral a dar notícias sobre o paradeiro do criminoso, este sabidamente auxiliado por terceiros”.

Evandro Gomes Correia Filho foi calouro do Programa Raul Gil%2C da TV BandeirantesReprodução Internet

O crime, que aconteceu em novembro de 2008, chamou a atenção pela crueldade. Andréia teria morrido quando tentava fugir do ex-marido. Ela pulou do terceiro andar de um prédio, depois de ter jogado o filho, que caiu sobre uma marquise e sobreviveu. O julgamento do pagodeiro estava marcada para acontecer no mês de maio deste, mas foi adiado para setembro.

O advogado do réu, Ademar Gomes, diz que é a favor da Secretaria de Segurança Pública oferecer recompensa para todos os foragidos e que o governo construa, no mínimo, 50 presídios para comportar "os 150 mil foragidos da Justiça". Porém, pondera em relação ao pedido feito para o seu cliente.

“Por que não oferecer recompensa para essas pessoas que já foram julgadas e condenadas pela Justiça? Não tem outros foragidos por aí, pessoas de alta periculosidade? Não somente o Evandro, ai parece uma perseguição que está fazendo contra o rapaz que nem julgado foi ainda”, rebateu.

O caso

O inquérito, concluído pelo 2º DP, de Guarulhos, aponta o músico como o autor dos crimes. Inconformado com a separação do casal, ele teria ido ao apartamento de Andréia para confrontá-la. Segundo a polícia, Evandro teria cortado a mangueira do gás e o telefone do local.

Ainda com uma faca, que foi apreendida pelos investigadores, ele teria ameaçado a ex e o filho. Para fugir, Andréia então teria lançado a criança de seis anos pela janela e pulado em seguida. Ele teve a prisão preventiva decretada por homicídio, mas nunca foi localizado.

A versão é rebatida pela defesa do pagodeiro, que garante que o seu cliente - considerado foragido há cinco anos e com foto divulgada no site da Divisão de Vigilância e Capturas da Polícia Civil - estará presente no plenário para se defender. Dois anos após o crime, durante o período eleitoral em uma manobra para evitar sua prisão, Evandro foi apresentado pelo defensor para uma entrevista coletiva. Com uma peruca, falso cavanhaque e óculos escuros, o cantor alegou sua inocência.

Aos jornalistas, o músico citou ainda que o casal voltou de um shopping, no dia do crime, e foram para o apartamento. Lucas foi colocado no quarto. Quando o casal tomava vinho, Andréia teria questionado Evandro sobre outro filho, recém-nascido, que ele teria com outra mulher. Os dois começaram a brigar e ela, segundo o acusado, cortou a mangueira de gás com uma faca. Ele disse que a teria desarmado e quando virou viu que ela tinha se jogado.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia