Acusado de ser cúmplice na morte de Mércia quer provar que sofreu tortura

Julgamento de Evandro Bezerra Silva, suspeito de ajudar na fuga de Mizael Bispo de Souza, começa nesta segunda-feira

Por helio.almeida

Acusado de ser cúmplice do ex-policial Mizael Bispo de Souza, condenado este ano pela morte da advogada Mércia Nakashima, ocorrida em maio de 2010, o vigia Evandro Bezerra Silva vai insistir no argumento de que sofreu tortura na cadeia para confessar sua participação na fuga do assassino. Com previsão para durar três dias, o julgamento de Bezerra começa na manhã desta segunda-feira no Fórum Criminal de Guarulhos, na Grande São Paulo.

Vigia quer provar que sofreu torturaDivulgação

Ao contrário de sua confissão gravada pela polícia em Aracajú (SE), a versão que os quatro advogados do vigia vão defender é que Evandro, funcionário informal de Mizael, não sabia do crime quando foi buscar o ex-policial na represa da cidade de Nazaré Paulista, onde o carro e o corpo de Mércia foram encontrados. Evandro vai dizer que recebeu um telefonema do chefe pedindo que o buscasse em uma festa perto dali.

De acordo com o advogado Felipe Eduardo Miguel Silva, seu cliente foi torturado em Aracajú (SE) – onde estava foragido – para confessar sua ajuda na fuga de Mizael, condenado a 20 anos de cadeia em março deste ano por atirar na vítima e trancá-la em seu próprio carro antes de empurrá-lo represa adentro.

Mizael e Mércia%3A Ex-policial foi condenado a 20 anos de cadeia pela morte da ex-namoradaReprodução Internet

Durante a suposta tortura, os policiais teriam colocado uma fita adesiva na boca de Evandro, coberto a cabeça dele com uma sacola e pedido que ele batesse o pé no chão quando estivesse pronto para confessar. Ao desmaiar, os policiais teriam jogado água em seu rosto para reanimá-lo e perguntado em seguida se ele estava pronto para confirmar a versão policial. “Primeiro ele foi interrogado sob tortura pelos policiais. Depois, o levaram para outra sala e filmaram sua confissão”, diz Miguel Silva. As imagens da admissão fazem parte do processo, de 22 volumes.

A suspeita

As investigações não demoraram para apontar Evandro como o principal suspeito de ajudar na fuga de Mizael. O vigia trabalhava havia alguns meses para o advogado como segurança em um posto de gasolina e feiras informais de Guarulhos.

À polícia, testemunhas afirmaram que, dias antes do crime, os dois vinham se encontrando com frequência. Uma delas afirmou que o vigia lhe teria confessado a oferta recebida de R$ 5 mil para que “fizesse uma coisa errada” para Mizael.

O vigia também é lembrado por pescar frequentemente na mesma represa, cidade em que um irmão tem um sítio. O advogado não vê estranheza nas 19 ligações que Mizael trocou com o vigia no dia do crime. “Eles trabalhavam juntos, o Evandro era vigia, mas o dono do bico era o Mizael. Eles se falaram bastante naquele dia, mas a relação dos dois era profissional. Um não frequentava a casa do outro.”

Miguel Silva espera que a condenação do ex-policial não seduza o juri popular. “A gente espera que isso não influencie. Que o Evandro seja julgado de acordo com base nas provas do processo.”

As informações são do repórter Wanderley Preite Sobrinho

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia