Dilma vê com preocupação movimento de alta do dólar

Presidenta convoca Mantega e Tombini para reunião sobre o assunto esta semana

Por nara.boechat

Brasília - A alta valorização do dólar nos últimos dias será o ponto central da agenda do governo durante a semana. A presidenta Dilma Rousseff vai se reunir com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, para tratar do assunto.
Na última sexta-feira, mesmo com duas atuações do BC, a moeda norte-americana atingiu seu maior valor desde março de 2009, cotada a R$2,40, ao fechar o dia com alta de 2,36%.

O temor do governo é em relação a uma subida ainda maior da moeda, tendo em vista que o mercado já trabalha com essa possibilidade. A valorização do dólar poderia pressionar a inflação em um momento em que a tendência deveria ser de queda.

Patamar ideal

Para o governo, o ideal seria que o dólar ficasse na casa de R$ 2,30, patamar que não provocaria grande impacto sobre a inflação e ajudaria as exportações, que é um ponto a ser considerado no cenário de aumento do déficit das contas externas do país.

No entanto, o próprio governo já sente que a cotação da moeda norte americana deve ficar oscilando entre R$ 2,35 e R$ 2,40 no curto prazo. Isso exigiria uma série de ações mais contundentes por parte da equipe econômica.

O Planalto tem receio de que essa pressão da moeda norte-americana sobre a inflação ocorra no ano que vem, quando haverá eleição presidencial, o que prejudicaria a campanha de reeleição da presidenta.

O problema é que, em parte, o avanço do dólar reflete um movimento internacional e, nesse caso, seu controle não depende apenas do país.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia