PF paralisa atividades por 48 horas em três estados e no Distrito Federal

Greves seguirão até o final do mês em todo o país. Policiais pedem reestruturação da carreira e reajuste salarial

Por julia.amin

Brasília - Policiais federais de três estados e do Distrito Federal iniciaram movimento de paralisação das atividades na manhã desta segunda-feira. A greve, com duração prevista de 48 horas, mobiliza os efetivos nos estados de Goiás, do Piauí e do Ceará. Na terça-feira, os policiais federais de Minas Gerais, do Amazonas, do Acre, do Paraná e de São Paulo também devem paralisar suas atividades. Em São Paulo, o movimento durará 24 horas.

A categoria decidiu paralisar as atividades por 48 horas após reunião da Federação Nacional dos Policias Federais (Fenapef), na última quarta-feira, com os ministérios do Planejamento, Orçamento e Gestão (Mpog) e da Justiça (MJ), com o objetivo de dar continuidade às negociações sobre reestruturação da carreira e reajuste salarial.

De acordo com a categoria, o governo disse que vai apresentar uma resposta até o dia 26 de agosto. O Planejamento acenou com o reajuste de 15,8% até 2015, proposta rejeitada pela Fenapef. Os policiais disseram que os serviços prestados à população, como emissão de passaportes, e as demais funções dos policiais, como investigações e registro de porte de arma, serão realizados com o efetivo mínimo, que é 30% dos servidores.

Segundo o presidente da Fenapef, Jones Borges Leal, as paralisações seguirão até o final do mês em todos os estados do país. Leal explicou à Agência Brasil que os policiais optaram por não unificar as paralisações, para que "cada estado avaliasse a sua situação e decidisse segundo as suas necessidades".

Entre outras reivindicações, os policiais defendem que a ascensão a cargos de chefia não seja privilégio dos delegados. "Hoje, você tem um policial com 30 anos de casa, que sabe tudo sobre investigação, e que fica impedido de ocupar novos cargos por conta da estrutura. Muitas vezes, esse policial vai ser chefiado por uma pessoa que passou em um concurso e vai para um posto de comando sem saber quase nada sobre investigação. Isso acaba sendo frustrante", disse Leal.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia