Por tamyres.matos

Cuba - A presidenta Dilma Rousseff classificou nesta segunda-feira, em Cuba, onde está em visita oficial, como injusto o bloqueio econômico imposto pelos Estados Unidos a Cuba desde os anos 1960. “Mesmo submetido ao injusto bloqueio econômico, Cuba gera um dos três maiores volumes de comércio do Caribe”, disse, ao discursar na inauguração da primeira etapa do Porto de Mariel.

O porto, que custou US$ 957 milhões, recebeu US$ 682 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O dinheiro foi parte de um acordo que exigiu, como contrapartida a compra de US$ 802 milhões de equipamentos e serviços brasileiros.

Dilma desembarcou neste domingo para participar da Celac%2C que acontece na capital cubana até terça -feiraEfe

A presidenta anunciou que o Brasil, via BNDES, vai participar do financiamento da segunda etapa do porto. A estimativa é investir US$ 290 milhões. Dilma destacou, além dos laços políticos entre Brasil e Cuba, o potencial de comércio entre os dois. E ressaltou que há oportunidades de desenvolvimento nos setores de equipamentos para a saúde, medicamentos e vacinas.

A presidenta afirmou ainda que é interesse do Brasil ser um parceiro econômico de primeira ordem para Cuba. “Acreditamos que uma maneira de estimular a aliança é aumentar o fluxo bilateral de comércio”, disse.
Dilma aproveitou a cerimônia para agradecer ao presidente cubano, Raúl Castro, o apoio dele ao Programa Mais Médicos, com o envio de profissionais cubanos. Desde o lançamento do programa, 5,3 mil cubanos vieram trabalhar nas periferias de grandes cidades e no interior do Brasil.

Segundo Dilma, a participação dos médicos cubanos é amplamente aprovada pelo povo brasileiro. “Ela é uma prova efetiva de solidariedade e coooperação que preside a relação entre os nossos países”, garantiu.

Nesta terça, a presidenta Dilma Rousseff participa da abertura da Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos, que marca a volta de Cuba a organismos de integração regional. O país foi suspenso da Organização dos Estados Americanos em 1962.

Você pode gostar