Cubana que largou o Programa Mais Médicos presta depoimento

Ela falará ao Ministério Público do Trabalho. Entidades divulgam carta de repúdio

Por tamyres.matos

Brasília - O Ministério Público do Trabalho (MPT) ouve nesta segunda-feira o depoimento da médica cubana Ramona Rodriguez, que abandonou na semana passada o Programa Mais Médicos, alegando que recebia menos de 10% do valor pago aos inscritos individualmente. Neste domingo, entidades médicas divulgaram carta de repúdio às condições de trabalho dos profissionais, cubanos ou não, que atuam no programa.

DIREITOS TRABALHISTAS

O Conselho Federal de Medicina, a Federação Nacional dos Médicos e a Associação Médica Brasileira alegam que o contrato fere direitos individuais e trabalhistas. As entidades querem que todas as denúncias e os “indícios de irregularidades” no processo de contratação de intercambistas e de médicos brasileiros sejam apurados pelo Ministério Público Federal, pelo MPT e pelo Supremo Tribunal Federal.

Desde o lançamento do programa, em julho do ano passado, as entidades médicas defendem que a solução para a falta de profissionais em regiões carentes é a criação de uma carreira federal, semelhante à dos magistrados, para os médicos do Sistema Único de Saúde, além da estruturação dos locais de atendimento.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia