São Paulo reduzirá captação de água do Sistema Cantareira

Redução começará nesta segunda-feira. Medida segue orientação da Agência Nacional de Águas

Por tamara.coimbra

São Paulo - O governo do estado de São Paulo informou na quinta-feira que reduzirá a captação de água do Sistema Cantareira a partir da próxima segunda-feira. O reservatório é responsável pelo abastecimento de metade da população da região metropolitana de São Paulo. A decisão de diminuir a retirada de água do manancial segue orientação da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Departamento de Águas e Energia Elétrica.

Apesar da redução na captação de água, o Palácio dos Bandeirantes destacou, por meio da assessoria de imprensa, que a decisão não afetará o abastecimento e não implicará racionamento. De acordo com o governo, o Sistema Cantareira, que na quinta-feira chegou ao menor limite já registrado (16%), será auxiliado pelos sistemas Alto Tietê (que está com 38,3% de sua capacidade) e Guarapiranga (69%). A campanha para economia de água também será intensificada.

Nível de água no sistema Cantareira caiu a 16%2C9%%2C de acordo com a Sabesp. Volume armazenado é o mais baixo da históriaReuters

Nesta quinta, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) informou que há previsão de chuva significativa na cabeceira do Sistema Cantareira, no sul de Minas Gerais. A chuva pode amenizar a situação crítica dos reservatórios do sistema. De acordo com o Inmet, as precipitações, que devem ser superiores a 50 milímetros, devem persistir até terça-feira, nas cidades de Camanducaia, Extrema, Sapucaí-Mirim, Joanópolis e Nazaré Paulista.

O comitê anticrise montado para gerenciar a situação da Cantareira, emitiu um relatório, no último dia 18, com simulações sobre o que pode ocorrer com o nível dos reservatórios nos próximos meses, se não forem adotadas medidas emergenciais. Na pior das hipóteses, o volume útil do manancial se esgotaria em agosto deste ano, e a Grande São Paulo passaria a ser abastecida pelo volume morto, ou seja, a parte do reservatório que não é alcançada atualmente pelas bombas.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia