‘Encoxadores’ agem em BH, e vítimas não procuram a polícia

Enquete ouviu cem passageiras e 41 relataram ter sofrido assédio no transporte público

Por fernanda.magalhaes

Minas Gerais - “Eles se aproveitam do ônibus lotado para relar na gente. Uma vez passaram a mão em mim, e, quando xinguei, o cara respondeu: ‘então, vá andar de táxi’”. A reclamação da estudante Michelle Colanksy, 21, é apenas mais uma entre as milhares feitas por usuárias do transporte coletivo de Belo Horizonte, que, assim como as de São Paulo, sofrem, diariamente, assédios sexuais de todos os tipos. A reportagem foi às ruas e constatou que, de cem mulheres ouvidas, quase a metade (41) já sofreu algum tipo de constrangimento no ônibus ou no metrô. Dentre as que não foram vítimas, a maioria relatou casos de amigas ou familiares que passaram pela situação.

No escuro. Nem a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), responsável pelo metrô, nem a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), que gerencia os ônibus da capital, possuem dados referentes aos assédios. A Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher da Polícia Civil, por sua vez, diz que as denúncias são mínimas.

Atenção

Dicas. Em casos de assédio, a orientação é acionar imediatamente a Polícia Militar pelo 190. A CBTU informou que possui agentes treinados para “coibir ocorrências de segurança pública”.

Com informações de Luiza Muzzi

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia