Em assembleia, funcionários da Fundação Casa mantêm greve

Categoria pede reajuste salarial de 53,63% acima da inflação, além de reposição de perdas, isonomia do Plano de Cargos e Salários e maior segurança no local de trabalho

Por karilayn.areias

Rio - Após assembléia na manhã desta terça-feira, os funcionários da Fundação Casa decidiram manter a greve por tempo indeterminado. A categoria rejeitou a proposta do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) que intermedeia as negociações entre o governo e os grevistas.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Entidades de Assistência e Educação à Criança ao Adolescente e à Família do Estado de São Paulo (Sitraemfa) o desembargador havia solicitado que os trabalhadores voltassem ao estado de greve, com a promessa de que a Fundação Casa não faça retaliações contra os grevistas, não desconte os dias parados e mantenha um canal de negociação no TRT.

Na última sexta-feira, o desembargador determinou que 70% do efetivo dos agentes socioeducativos da Fundação Casa continue trabalhando. Em caso de descumprimento, o TRT aplicará multa diária de R$ 100.000,00.

A categoria, que está em greve desde a última quinta-feira, pede reajuste salarial de 53,63% acima da inflação, além de reposição de perdas, isonomia do Plano de Cargos e Salários e maior segurança no local de trabalho.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia