Por leonardo.rocha

São Paulo - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente de Gana, John Dramani Mahama, se reuniram nesta quinta-feira em São Paulo em um encontro no qual além de falar sobre a Copa, destacaram a importância da cooperação entre ambos os países em matéria de produção de alimentos. Segundo informou o Instituto Lula, dirigido pelo ex-mandatário, Gana tem um "grande interesse" em receber investimentos e transferências de tecnologia brasileira para a produção de alimentos, especialmente a soja, o milho e o arroz.

Gana gasta US$ 400 milhões por ano com a importação de arroz, já que apenas 30% de dito alimento é produzido no país africano. De acordo com as mesmas fontes, Brasil e Gana estão perto de assinar um acordo para compra por parte do país africano de tratores e máquinas agrícolas brasileiras.

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da SilvaAFP


Durante o encontro realizado na sede do Instituto Lula em São Paulo, o ex-presidente brasileiro e Mahama também conversaram sobre o Mundial, que começará em 12 de junho com a partida de abertura
entre Brasil e Croácia.

O líder africano lembrou que Gana se encontra em outro dos denominados "grupo da morte", junto com Alemanha, Estados Unidos e Portugal.

Está previsto que cerca de dois mil turistas ganeses cheguem ao Brasil para seguir sua seleção. Mahama chegou nesta semana ao país para participar da Bienal do Livro de Brasília, onde apresentou sua obra "Meu primeiro golpe de Estado". O presidente dedicou um exemplar a seu "irmão" Lula.

"Muito obrigado meu irmão por ser um amigo e uma pessoa que acredita no potencial da África. Aceite minha mais alta estima por todo seu apoio e amizade com meu país, Gana", aponta a dedicatória.

Lula e Mahama se encontrarão de novo na Nigéria por causa do Fórum Econômico Mundial sobre a África que será realizada nos dias 7 e 9 de maio.

Você pode gostar