Região metropolitana do Recife sofre onda de saques durante greve da PM

Policiais militares aderiram greve nesta quarta-feira

Por tamara.coimbra

Pernambuco - A cidade do Recife sofreu uma onda de saques durante a madrugada desta quinta-feira, em meio à greve da Polícia Militar, que pede melhores salários e que se mantém apesar de ter sido declarada ilegal. Os tumultos e saques na capital pernambucana começaram no início da noite e se prolongaram durante a madrugada, com ataques de dezenas de pessoas a lojas e caminhões que transportavam alimentos, segundo confirmaram nesta quinta-feira as autoridades locais.

O governador de Pernambuco, João Lyra Neto, anunciou hoje que pediu reforços da Força Nacional de Segurança a fim de garantir a ordem nas ruas, diante da decisão dos policiais de manter a greve que começaram nesta quarta. Lyra Neto afirma que conversou sobre o assunto na noite de ontem com a presidenta Dilma Rousseff que, segundo ele, lhe deu "toda a solidariedade" para garantir a segurança no Recife e em sua periferia.

Grupo ataca caminhão em RecifeReprodução / TV Globo

O governador acrescentou que a chegada das tropas federais está prevista para esta quinta-feira e condenou a decisão dos policiais de manter seus protestos em momentos em que suas aspirações salariais são alvo de uma negociação.

As negociações, no entanto, permanecem estagnadas, já que o governo de Pernambuco ofereceu um aumento salarial de 14%, contra 50% que os sindicatos de policiais exigem. Lyra Neto afirmou que existe uma medida cautelar ditada na mesma quarta-feira pelo Supremo Tribunal de Justiça, que considera ilegais as greves de policiais e os obriga a manter pelo menos 30% do efetivo em serviço, o que no Recife, segundo o governador, não se cumpriu.

A onda de saques teve maior intensidade em Abreu e Lima, um município da periferia de Recife onde várias lojas não abriram nesta quinta suas portas, sob o temor de novas desordens. A tensa situação no Recife coincide com uma jornada de protesto convocada para hoje por movimentos sociais que denunciam o alto gasto público na Copa e exigem maiores investimentos em educação, saúde, transporte e em outras áreas sociais.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia