Mortes violentas batem recorde no Brasil

Em 10 anos, assassinatos passam de 500 mil. A maioria das vítimas tinha de 15 a 29 anos e era negra

Por O Dia

Brasília - A cada dia, 154 pessoas morreram, em média, vítimas de homicídios no Brasil em 2012. Foram 56.337, 7% a mais do que em 2011 e 13,4% que em 2002. Em uma década, o número de mortos chega a 556 mil. O percentual supera os 11,1% do aumento da população na década, de acordo com o Mapa da Violência 2014, divulgado nesta quarta-feira pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos.

Cardozo cobrou melhor administração penitenciária no MaranhãoAgência Brasil

Segundo o Mapa, o Brasil é o sétimo em mortes por cada grupo de 100 mil habitantes entre 100 países. Fica atrás de El Salvador, da Guatemala, de Trinidad e Tobago, da Colômbia, da Venezuela e de Guadalupe. O estudo indica ainda a disseminação da violência pelo país, principalmente nas regiões Norte e Nordeste. De 2002 a 2012, houve crescimento dos homicídios em 20 dos 27 estados. O índice é classificado como explosivo em sete: no Maranhão, no Ceará, na Paraíba, no Pará, no Amazonas, no Rio Grande do Norte e na Bahia.

O Sul e o Centro-Oeste tiveram aumento de de 41,2% e 49,8%, respectivamente. Já no Sudeste, houve diminuição significativa no Rio de Janeiro e em São Paulo. Em Minas Gerais, o crescimento chegou a 52,3%. O levantamento mostra que os que mais morrem de forma violenta são homens jovens e negros, de 15 a 29 anos. Em 2012, houve assassinatos de 30.072 pessoas nesse perfil, o que representa 53,4% do total do país.

Segundo o responsável pela análise, Julio Jacobo Waiselfisz, coordenador da Área de Estudos da Violência da Faculdade Latino-Americana de Ciências, a diferença de mortes de brancos e negros reflete as políticas de segurança dos estados. Elas privilegiam as áreas onde a maioria da população é branca, e de renda maior. “Isso faz com que seja mais difícil a morte de um branco do que a de um negro”, diz.

MARANHÃO: ?MAIS UM MORTO EM PRESÍDIO

Subiu nesta quarta para três o número de presos mortos no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís. Todos foram enforcados em suas celas e se enquadram no perfil da maioria registrada pelo Mapa da Violência: Jarlyson Belfort Cutrim tinha 21 anos; Jhonatan da Silva Luz, 20; e Fábio Robert Costa Pereira, 29.

As três mortes no presídio, onde no ano passado foram registrados cena de barbáries, com detentos esquartejados, acendou o sinal de alerta no Ministério da Justiça. O ministro José Eduardo Cardozo criticou o governo maranhense de Roseana Sarney, dizendo que ela precisa adotar medidas para evitar o casos no presídio.

Para ele, além de fazer presídios e reduzir a superlotação carcerária no Maranhão, é preciso melhorar a administração. “A questão ali é melhorar o sistema prisional, com maior segurança interna e melhor tratamento prisional.”

Últimas de _legado_Brasil