Alckmin nega racionamento de água em São Paulo

Governador assegurou que 86% dos paulistas atenderam ao apelo do governo e reduziram o consumo

Por karilayn.areias

Rio - O governador Geraldo Alckmin minimizou os problemas de escassez de água em São Paulo e negou nesta terça-feira que o estado esteja vivendo um racionamento. Alckmin destacou que esta é a pior seca dos últimos 84 anos na região.

As declarações feitas depois de um encontro entre o governador e o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) em Brasília. Alckmin, que é candidato à reeleição, assegurou que 86% dos paulistas atenderam ao apelo do governo e reduziram o consumo depois do bônus oferecido à população em troca da economia de água.

Governador paulista nega racionamento e diz que seca é a pior em 84 anosAgência Brasil

“Fizemos uma grande economia. Temos hoje metade das reclamações do mesmo período do ano passado”, afirmou o governador. Ele levantou suspeitas sobre os interesses em torno do problema de abastecimento, citando uma denúncia de falta d'água em um condomínio, recebida por uma emissora de rádio e que acabou sendo desmentida ontem (4). “Eles foram ao condomínio e não faltava água. E a pessoa [que fez a denúnica] não morava no condomínio. Quem ligou lá [na rádio] para fazer esse tipo de denúncia?”, questionou.

Há quase um mês, o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) divulgou os resultados de uma campanha lançada na Grande São Paulo, que se contrapunham a declarações da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que negava o desabastecimento.

O balanço parcial da campanha ainda mostrou que a falta d'água ocorre todos os dias, pelo menos uma vez, em 76% dos casos. Para 14% das pessoas que fizeram o relato, o racionamento é feito mais de uma vez por semana. Entre os demais consumidores, 4% indicaram que isso ocorre mais de uma vez por dia, 2% relataram a frequência de uma vez por mês e 1% mais de uma vez por mês.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia