FAB afirma que gravação da caixa-preta de avião não era do voo de Eduardo Campos

Duas horas de áudio foram analisadas por técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

Por clarissa.sardenberg

Rio - A Força Aérea (FAB) confirmou nesta sexta-feira que as duas horas de áudio da caixa-preta do jato que levava o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) para Santos já foram extraídas e analisadas por quatro técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Segundo a análise, a gravação da caixa-preta da aeronave de prefixo PR-AFA não é do voo de Eduardo Campos. A FAB é responsável pela investigação do acidente.

Modelo da aeronave usada por Campos gravava apenas os sons internos da cabine, principalmente as conversas entre os pilotosReprodução Internet

Como a caixa-preta só registrava áudio, e não dados, a inexistência desse material significa que não há nenhum registro sobre o voo do equipamento. Normalmente, as caixas-pretas guardam os registros de voz das últimas duas horas. Os motivos pelo qual as gravações do voo do Campos não foram realizadas ainda são desconhecidos, de acordo com a FAB.

'Não sobrou nada. Nem de Eduardo, nem de ninguém', diz dentista do ex-governador

"As duas horas de áudio, capacidade máxima de gravação do equipamento, obtidas e validadas pelos técnicos certificados, não correspondem ao voo realizado no dia 13 de agosto", informou a FAB em nota divulgada nesta sexta-feira.

"Não é possível, até o momento, determinar a data dos diálogos registrados no CVR [Cockpit Voice Recorder, gravador de voz], tendo em vista que esse tipo de equipamento não registra essa informação. As razões pelas quais o áudio obtido não corresponde ao voo serão apuradas durante o processo de investigação."

Motivo pelo qual as gravações do voo do Campos não foram realizadas ainda é desconhecidoReuters

A Força Aérea afirmou ainda que irá investigar uma série de fatores ligados aos pilotos que voavam com Campos no dia do acidente, como se por um acaso já haviam ultrapassado mais horas de trabalho do que permitido, se a documentação estava em dia, os últimos exames e outros. Na investigação também deverão ser ouvidos parentes dos profissionais que morreram no acidente para averiguar se passavam por algum tipo de problema pessoal que os afetasse.

O modelo da aeronave usada por Campos só tinha o CRV, que grava os sons internos da cabine, principalmente as conversas entre os pilotos. Diferentemente de aeronaves de maior porte, o jatinho executivo não é obrigado a ter o mecanismo chamado flight data recorder (FDR), que registra os parâmetros de voo, como a velocidade, as posições em que estavam posicionados os manetes e quais os comandos que foram acionados.

Entenda o caso

O candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, morreu em um acidente de avião na manhã desta quarta-feira em Santos, no litoral de São Paulo. Campos, de 49 anos, foi governador de Pernambuco e estava em terceiro lugar nas últimas pesquisas para a corrida presidencial. O avião com Campos, que cumpriria agenda de campanha em Santos, saiu do aeroporto Santos Dumont, no Rio de janeiro, em direção ao Guarujá. De acordo com a Aeronáutica, a aeronave arremeteu quando se preparava para o pouso devido ao mau tempo. Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com o jato Cessna 560XL.

A candidata à vice na chapa do PSB à Presidência, a ex-senadora Marina Silva, não estava no avião. De acordo com a agenda de Campos, divulgada pela assessoria de imprensa, Marina passaria o "dia gravando em São Paulo".

Campos nasceu no Recife (PE) em 10 de agosto de 1965. Filho de Ana Arraes, ex-deputada federal, e do escritor e advogado Maximiano Accioly Campos, com apenas 16 anos ingressou na Universidade Federal de Pernambuco para cursar Economia; aos 20, formou-se e foi o orador da turma.

Eduardo Campos morreu no mesmo dia que o avô Miguel Arraes%2C que também foi governador de PernambucoAna Nascimento / ABr / Arquivo O Dia

Começou a militância ainda na universidade, como presidente do Diretório Acadêmico. Não traiu o sangue político da família: em 1986, trocou a possibilidade de um mestrado nos EUA pela participação na campanha que elegeu governador de Pernambuco o seu avô, Miguel Arraes – que passara 15 anos no exílio provocado pelo regime militar. Campos morreu no mesmo dia que Arraes. O líder político morreu de infecção generalizada em 13 de agosto de 2005.

Em 1990, depois de trabalhar como secretário de Governo do avô, filiou-se ao PSB e conquistou um mandato de deputado estadual. Chegou ao Congresso Nacional em 1994, dois anos depois de sofrer sua única derrota eleitoral até hoje: foi quinto lugar na eleição que levou Jarbas Vasconcelos pela segunda vez à prefeitura do Recife. Em 1998, foi reeleito para a Câmara dos Deputados como o deputado federal mais votado de Pernambuco. No seu terceiro mandato em Brasília, conquistado em 2002, atuou em defesa da candidatura de Lula, depois de um primeiro turno com Anthony Garotinho.

Ministro do governo Lula

Em 2003, estreitando os laços com Lula, tomou posse como ministro de Ciência e Tecnologia – o mais jovem no primeiro mandato do presidente. Em sua gestão, foi aprovada a lei que autoriza pesquisa com células-tronco. Data dessa época suas desavenças com o todo-poderoso José Dirceu.

Eduardo Campos foi ministro de Ciência e Tecnologia no primeiro mandato de LulaDivulgação

Em 2005, Campos e Aldo Rebelo, então ministro de Relações Institucionais, manobraram para barrar a CPI dos Correios, que trouxe à tona o mensalão. Numa reunião com Dirceu, que terminou em clima hostil, Campos teria sido aconselhado a desistir da candidatura ao governo de Pernambuco em favor do petista Humberto Costa. “Eu não preciso do PT para ser governador. A única pessoa a quem eu tenho de dar satisfação é Lula”, teria respondido. Mais tarde ganharia pontos adicionais com o presidente ao ser fiel durante a crise do mensalão e ao retirar sua candidatura à presidência da Câmara em favor de Rebelo.

Governo de Pernambuco

Depois de assumir a presidência do PSB em 2004, lançou um ano depois sua candidatura ao governo de Pernambuco. O curioso é que, durante a campanha, Lula resolveu apoiar não apenas um candidato, mas dois: além de Campos, esteve também ao lado de Humberto Costa, o indicado pelo PT, numa manobra arriscada para enfraquecer a hegemonia do ex-governador Jarbas Vasconcelos, que apoiava a reeleição de Mendonça Filho. Campos e Mendonça chegaram ao segundo turno com a vitória do primeiro, que aglutinou mais de 60% dos votos válidos.

Desde a cerimônia de posse – marcada pela presença de camponeses, lembrando o clima que havia nos tempos do avô Miguel Arraes –, Campos realizou um governo sem percalços. Tudo lhe foi favorável para que seu nome ficasse mais conhecido nacionalmente. Uma das vitaminas estimulantes de sua gestão foi a atração de recursos do governo federal – de longe o maior investidor na economia local. Em 2010, disputou a reeleição, e, mais uma vez, contou com a mão de Lula durante a disputa.

Campos foi ministro da Ciência e Tecnologia no primeiro governo LulaDivulgação

Saiu-se com folgada vitória ainda no primeiro turno: quase 80% dos votos válidos, enterrando de vez o seu maior adversário político, o senador Jarbas Vasconcelos.

Em 2013, Campos rompeu com o governo Dilma para concorrer à Presidência da República. Às vésperas do encerramento do prazo eleitoral para as inscrições das candidaturas, ele anunciou a aliança com a ambientalista Marina Silva, que não conseguiu inscrever seu partido para a disputa do pleito. Em entrevista ao programa Canal Livre, da 'TV Bandeirantes', ele explicou porque decidiu concorrer ao mais alto cargo do Executivo. "O Brasil sair desse presidencialismo de coalisão, desse cenário de baixo crescimento, inflação alta, carga tributária se elevando e nada de inovador sendo feito. Entendemos que é hora de construir uma alternativa que preserve as conquistas sociais, renove a política e aponde as possibilidades do Brasil ir mais longe"

A última entrevista do candidato à presidência Eduardo Campos foi ao Jornal Nacional na noite desta terça-feira. Quando questionado sobre como pretendia ampliar os programas sociais criados no governo Lula e ao mesmo tempo enfrentar a inflação, Campos afirmou que a “única promessa é melhorar a vida do povo brasileiro”.




Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia