Prefeitura de São Paulo compra feijão do MST para levar às escolas

Alimentos vêm sendo adquiridos desde 2013 devido a uma determinação do Ministério do Desenvolvimento Agrário

Por victor.duarte

São Paulo - Duas cooperativas do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) entregarão um total de ao menos 360 toneladas de feijão para a Prefeitura de São Paulo oferecer nas escolas da capital paulista. O alimento será usado no preparo de refeições para as crianças nas instituições de ensino.

Fechado na sexta-feira, o acordo prevê a venda de 60 mil quilos de feijão todos os meses, entre janeiro e julho. Há a possibilidade de renovação com as cooperativas, a Coapri e a Copava, ambas de Itapeva, no interior paulista.

“Temos condições de atender 100% da alimentação escolar da cidade", diz Sebastião Aranha, militante do MST, citando as parcerias das cooperativas com outras cidades, como Ribeirão Pires, Campinas, São Bernardo, São José do Rio Preto, Guarujá e com as Companhias Nacionas de Abastecimento (Conabs) de São Paulo e Minas Gerais.

"É o nosso objetivo, pois quem produz alimentos saudáveis é a agricultura familiar e muitos desses alimentos acabam sendo vendidos para a prefeitura por atravessadores."

Os alimentos vêm sendo adquiridos pela prefeitura desde o ano passado devido principalmente a uma determinação do Ministério do Desenvolvimento Agrário e Social de que escolas devam comprar produtos da agricultura familiar, diz a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação.

No ano passado já havia sido comprado arroz; neste ano, arroz orgânico. Também foi aberto pela prefeitura edital para aquisição de suco de uva das cooperativas.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia