Geraldo Alckmin diz que São Paulo precisa de R$ 3,5 bi contra crise da água

Geraldo Alckmin voltou a negar que haja racionamento em São Paulo e que há o risco de que falte água à curto prazo

Por victor.duarte

São Paulo - Após se reunir com a presidente Dilma Rousseff, nesta segunda-feira, em Brasília, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) informou que o governo do Estado e o governo federal podem fazer parcerias para resolver a situação hídrica de São Paulo.

Ao sair do encontro, no Palácio do Planalto, o governador informou que um grupo de trabalho entre ministros e secretários foi criado e se reunirá no próximo dia 17, no Ministério do Planejamento, para tratar de oito obras com o objetivo de solucionar a crise hídrica em São Paulo. O valor total das obras é de R$ 3,5 bilhões.

Alckmin voltou a negar que haja racionamento em São Paulo e que há o risco de que falte água à curto prazoAgência Brasil

Entre as obras listadas pelo governador estão a Interligação dos reservatórios do Jaguari ao Atibainha; a construção das barragens Pedreira e Duas Pontes, a construção do sistema adutor regional dos rios Piracicaba, Capibaribe e Jundiaí (PCJ), a interligação do Rio Pequeno com a represa Billings (reservatório Rio Grande), a construção de duas estações de reuso para reforço dos sistemas Guarapiranga e Baixo Cotia, a construção de uma adutora emergencial Jaguari-Atibaia para reforço da captação de Campinas, além da construção de 24 poços de afloramento do Aquífero Guarani e a adução para bacias do PCJ.

Da reunião com a presidente Dilma Rousseff também participaram as ministra Miriam Belchior, do Planejamento, e Izabella Teixeira, do Meio Ambiente. De acordo com a ministra Miriam Belchior, o governo de São Paulo deve apresentar um projeto mais detalhados sobre cada empreendimento.

“A presidente fez uma série de perguntas a respeito das funções dessas obras e estabeleceu-se uma reunião técnica na próxima segunda-feira, onde o Estado vai apresentar ocm maior detalhamento cada um dos projetos”, disse a ministra após a reunião.

Alckmin voltou a negar que haja racionamento em São Paulo e que há o risco de que falte água à curto prazo. “Não há esse risco. Nós já temos repetido isso desde o início do ano. Nós temos em São Paulo um sistema extremamente forte, entramos na segunda reserva técnica do Cantareira com obras para amanhã. As obras para amanhã já estão sendo feitas”, disse o governador.

“Nós vamos entregar neste mês de novembro mais um metro cúbico por segundo de Guarapiranga , então, mais de 300 mil pessoas saem do Cantareira e passam para o Guarapiranga”, garantiu.

Reportagem de Luciana Lima

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia