Ex-gerente da Petrobras: 'Comecei a receber propina em 97, 98'

Em CPI, Pedro Barusco 'estima' que PT tenha recebido algo em torno de US$ 150 mi e US$ 200 mi em propina

Por tiago.frederico

Pedro Barusco presta depoimento na CPI da PetrobrasDivulgação

Brasília - "Comecei a receber propina em 97, 98. Foi uma iniciativa pessoal minha, junto com o representante da empresa. De forma mais ampla, em contato com outras pessoas da Petrobras, [passei a receber propina] a partir de 2003, 2004". A declaração é do ex-gerente da petroleira, Pedro Barusco, que presta depoimento na CPI da estatal, nesta terça-feira, em Brasília.

Investigado pela operação Lava Jato, Barusco chegou à Câmara, por volta de 8h25, acompanhado de sua advogada e preferiu não falar com a imprensa, seguindo direto para uma sala da secretaria da comissão, onde aguardou o início da sessão. Após realizar o juramento, o antigo gestor contou que sua ascensão na Petrobras até o cargo de gerente se deu por indicação técnica. "Não tive nenhum contato político, nenhuma indicação política", disse.

"Eu fazia parte da diretoria de Serviços, é uma diretoria que presta serviço para outras diretorias. [...] Então. os ilícitos que relatei foram todos contratos da diretoria de Serviços", explicou Barusco.

Questionado se distribuia propina para políticos, ele negou e explicou como o repasse de vantagens ilícitas era feito. "O envolvimento de agentes políticos era feito no momento da divisão do quantitativo da propina", afirmou. Segundo Barusco, João Vaccari, o tesoureiro nacional do PT, era o responsável por repassar ao partido parte da propina.

Ainda em depoimento, o ex-gerente da Petrobras disse que "estima" que o PT tenha recebido algo em torno de US$ 150 mi e US$ 200 mi. "Cabia a mim, uma quantia, e eu recebi. Cabia ao PT uma outra quantia, o dobro. E eu estimo que pode ter sido até US$ 150 milhões a US$ 200 milhões. Não sei como o João Vaccari recebeu, se recebeu. Se foi doação oficial, se foi conta lá fora. Existia uma reserva de propina para o PT", falou.

"A primeira ação efetiva do cartel que eu percebi foi na Refinaria de Abreu e Lima e depois no Comperj", contou o Barusco, referindo-se ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, em Itaboraí, na Região Metropolitana do estado.

"A gente sentiu uma atuação dessas empresas bem integradas. As ações para quebrar, para baixar preços", revelou Barusco, que ainda completou: "Na minha avaliação, não houve superfaturamento [na Refinaria de Abreu e Lima e no Comperj]. Porque os contratos foram fechados dentro do limite estabelecido pela companhia. O cartel trabalhou fortemente e articuladamente para levar esse limite para o limite superior. Mas dentro do limite".

Questionado sobre quem recebeu propina nas obras do Gasene, Barusco disse: "Eu, Renato Duque, e a parte relativa ao partido, o PT. A gente sempre combinava esse tipo de assunto com o João Vaccari. Agora, isso cabia ao Vaccari gerenciar. Ele que era o responsável. Não sei como ele recebia, como distribuía".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia