Segurança privada poderá usar armas não letais a base de óleos alimentícios

A arma não letal de que trata a portaria é composta por óleos essenciais de menta, cânfora e gengibre, por exemplo

Por tamara.coimbra

Brasília - A Coordenadoria-Geral de Controle de Segurança Privada do Departamento de Polícia Federal autorizou nesta terça-feira o uso de arma não letal a base de óleos vegetais, de graduação alimentícia, em atividade de segurança privada como vigilância patrimonial, de transporte de valores, escolta armada, segurança pessoal e atividades de ensino em cursos de formação. A autorização está publicada no Diário Oficial da União.

A arma não letal de que trata a portaria é o agente espigador, em solução líquida, espuma ou gel, de até 70 gramas, composto por óleos essenciais de menta, cânfora e gengibre, por exemplo.

Para o uso da arma não letal a base de óleos vegetais, a portaria esclarece que foram ouvidos o Exército e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia