Acidentes na Semana Santa têm menor número de mortos desde 2007

Ultrapassagens em locais proibidos são principais responsáveis por colisões frontais, acidente que tem alto número de mortos

Por victor.duarte

Brasília - Durante o feriado prolongado da Semana Santa, entre a última quinta-feira e esta segunda-feira, 103 pessoas morreram e 1.441 ficaram feridas em 2.323 acidentes - dos quais 163 considerados graves - nas rodovias federais do país, mas, pelos critérios da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que leva em consideração a evolução da frota de veículos, esse é o menor número de mortes neste feriado desde 2007.

O balanço foi divulgado nesta terça-feira pela Polícia Rodoviária Federal. Os dados também apontam redução de 63% no índice de acidentes graves, 22% no índice de acidentes totais, e 31% no índice de mortos, em relação ao feriado do ano passado. A PRF considera como acidente grave, o que resulta em feridos graves ou mortes. Em 2014, a Operação Semana Santa também durou cinco dias e foram registrados 2.837 acidentes, sendo 417 graves. Ao todo, 140 pessoas morreram.

Acidentes nas estradas têm menor número de mortos desde 2007 na Semana SantaReprodução / Facebook

Neste ano, 1.151 pessoas foram impedidas de dirigir por estarem sob efeito de álcool e 255 foram presas por embriaguez. A polícia fiscalizou 168.588 veículos, 183.209 pessoas e realizou 59.007 testes bafômetro.

Cinco meses após o aumento das multas por ultrapassagens indevidas, 7.560 manobras do tipo foram registradas. De acordo com a PRF, as ultrapassagens realizadas em locais proibidos são as principais responsáveis pelas colisões frontais, um tipo de acidente que apresenta altos números de mortos.

Ao todo, 79.247 veículos foram flagrados transitando acima da velocidade permitida. O maior número de flagrantes de excesso de velocidade foi registrado no estado de São Paulo, com 12.283 flagrantes - 15% do total - seguido pelo Paraná, com 11.641 e Minas Gerais, com 9.544 flagrantes.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia