Preso envia habeas corpus escrito em papel higiênico

'Foi a correspondência mais surpreendente que já vi aqui', afirmou o mensageiro que abriu o envelope

Por karilayn.areias

Preso envia habeas corpus escrito em papel higiênicoDivulgação/ STF

São Paulo - Uma carta escrita em um metro de papel higiênico cuidadosamente dobrado surprendeu os funcionários do Superior Tribunal de Justiça (STJ), na última segunda-feira. A correspondência, escrita de próprio punho por um preso, continha um pedido de habeas corpus. 

Surpreso, o mensageiro Gilmar da Silva, que abriu o envelope, declarou: "Achei diferente, foi a correspondência mais surpreendente que já vi aqui”. Já o chefe da Seção de Protocolo de Petições, Henderson Valluci, afirmou que “em dez anos é a primeira vez que vejo isso”. 

Segundo a legislação brasileira, o habeas corpus pode ser impetrado por qualquer pessoa, em qualquer meio e não é preciso ser advogado.

O autor está preso no Centro de Detenção Provisória Pinheiros I, em São Paulo (SP). No documento, o preso conta que participou de uma rebelião em 2006 e estaria encarcerado irregularmente há nove anos por um crime já prescrito e solicita liberdade.

O pedaço de papel higiênico utilizado terá o mesmo destino do lençol em que outro preso formulou seu pedido de liberdade, há cerca de um ano, e passará a integrar o acervo do Museu do STJ.




Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia