Mafioso italiano preso quer continuar morando no Brasil

Advogado tentará impedir extradição para a Itália

Por fernanda.macedo

Pasquale Scotti, de 56 anos, estava foragido desde 1986Divulgação/Polícia Federal

São Paulo - O mafioso italiano Pasquale Scotti, 56 anos, quer continuar morando no Brasil após sua prisão em uma ação da Interpol e da Polícia Federal do Brasil, informou seu advogado, Marcelo Bettamio, ao jornal "Folha de São Paulo".

Segundo seu representante legal, o pedido se baseia no fato do italiano ser jurado de morte por rivais e porque quando ainda morava no país, na década de 1980, sua casa teria sido alvo de um atentado.

Atualmente, Scotti está no presídio da Papuda, em Brasília, e agora aguarda o pedido de extradição do governo italiano. Preso há uma semana, o mafioso era um dos braços da máfia Camorra e estava foragido há 31 anos.

Na véspera do Natal de 1984, o italiano fugiu do hospital enquanto estava sob custódia policial e nunca mais foi visto em sua nação de origem. De acordo com a PF, ele vivia no Brasil há 28 anos e sua esposa e os dois filhos não sabiam de seu passado criminoso.

Com uma longa ficha de acusações criminais, Scotti só entrou na mira da Interpol em 1990, quando foi condenado por mais de 20 homicídios cometidos entre 1980 e 1983.

Antes de fundar a "Nova Camorra Organizada", criada após a prisão do chefão da Camorra, Raffaele Cutolo, o italiano era considerado o "engenheiro" dos crimes e do braço armado do grupo. Em 2005, a terceira seção da Corte de Assis condenou Scotti à prisão perpétua por uma série de assassinatos. A Itália tem três meses para requerer a extradição de seu cidadão.

Leia mais:

Líder da máfia italiana é preso no Recife

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia