Ex-ministro José Dirceu é preso em nova fase da Lava Jato

Ele foi detido em Brasília quando estava em casa e será levado para a superintendência da PF no Paraná; prisão é preventiva

Por marcelle.bappersi

Brasília - Na 17ª fase da Operação Lava Jato, batizada de ‘Pixuleco’, o ex-ministro José Dirceu foi preso nesta segunda-feira de manhã, em Brasília, onde já cumpria prisão em regime domiciliar como condenado do mensalão. Sua prisão foi ordenada em caráter preventivo.

Justiça rejeita mais um habeas corpus preventivo a José Dirceu

CPI da Petrobras poupa Eduardo Cunha e quebra sigilo de Dirceu

Dirceu é investigado em inquérito na Justiça Federal do Paraná por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiroAgência Brasil

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações penais da Lava Jato, afirmou no decreto de prisão de José Dirceu que a prova do recebimento de propinas pelo ex-ministro mesmo durante o julgamento do mensalão “reforça os indícios de profissionalismo e habitualidade na prática do crime”. Para o juiz, a conduta de Dirceu “recomenda, mais uma vez, sua prisão para prevenir risco à ordem pública”.

Em depoimento ao Ministério Público, o lobista Milton Pascowitch afirmou ter pago despesas pessoais do ex-ministro e de parentes dele com dinheiro recolhido de contratos de fornecedores prestadores de serviços da Petrobras. Segundo Pascowitch, Dirceu recebia R$ 96 mil por mês, oriundos de recursos desviados da Petrobras. Ao todo, ele teria embolsado R$ 11,5 milhões.

O dinheiro de Pascowitch foi utilizado para pagar parte de um jatinho, despesas de táxi aéreo e reformas em imóveis do ex-ministro, do seu irmão e até para a compra de um apartamento para a filha de Dirceu.

APARTAMENTO

Um dos favores do lobista foi a compra de um apartamento por R$ 500 mil para Camila Ramos de Oliveira e Silva, filha do petista. Pascowitch, que se tornou delator da Lava Jato no final de junho, apresentou provas documentais contra o ex-ministro. Entre elas estão comprovantes de pagamentos pela Jamp Engenheiros Associados, empresa de Pascowitch, no valor de R$ 1 milhão, entre abril e dezembro de 2011, à empresa JD Assessoria e Consultoria Ltda, que pertence ao ex-ministro. Segundo Pascowitch, não houve prestação de serviços pelo ex-ministro à Jamp.

O lobista também apresentou recibos de uma doação de R$ 1,3 milhão à arquiteta Daniela Fachini que seria referente à reforma da casa utilizada por Dirceu em Vinhedo (SP). A Jamp Engenheiros Associados, conforme o delator, também pagou pela reforma de apartamento localizado na rua Estado de Israel, em São Paulo, em nome do irmão de José Dirceu, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, que também foi preso nesta segunda-feira.

Condenado no processo do mensalão

Apontado como o mentor do esquema de compra de apoio político durante o primeiro mandato do ex-presidente Lula, José Dirceu foi condenado no processo do mensalão do PT e cumpre, desde novembro do ano passado, sua pena de 7 anos e 11 meses de prisão em regime domiciliar. Ele foi considerado culpado, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), do crime de corrupção ativa.

Na Lava Jato, o ex-chefe da Casa Civil é investigado em inquérito na Justiça Federal do Paraná por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro. A PF investiga se a empresa de consultoria de Dirceu, a JD Consultoria, tinha como clientes empresas que desviaram dinheiro da Petrobras.

Na 17ª fase da Operação Lava Jato, batizada de ‘Pixuleco’, o ex-ministro José Dirceu foi preso ontem de manhã, em Brasília, onde já cumpria prisão em regime domiciliar como condenado do mensalão. Sua prisão foi ordenada em caráter preventivo.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia