Mais Lidas

De Olho na Política: Visita a Israel faz do deputado Jean Wyllys novo alvo

Visita tem sido criticada nas redes sociais tanto por militantes de seu partido quanto de outros simpatizantes esquerdistas

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - Não bastasse à esquerda tantos com o governo do PT, nos últimos dias surgiu uma nova demanda, desta vez tendo como alvo uma estrela do Psol. O deputado Jean Wyllys (sétimo mais votado do Rio, com 144 mil votos), louvado por sua coragem em enfrentar os conservadores no Congresso, envolveu-se em polêmica internacional. Sua visita a Israel foi duramente criticada nas redes sociais tanto por militantes de seu partido quanto de outros simpatizantes esquerdistas. Estes argumentam, com razão, que o tour do deputado ajuda a limpar a imagem do governo israelense, que há décadas usa força militar contra os palestinos. Defensores de Wyllys respondem, também com razão, que os críticos exageram. O debate continua aceso.

Nesse confronto, os dois lados estão certos. E os dois lados estão errados. Não há dúvida que a visita do deputado cai como uma luva para a campanha que o governo de Israel dissemina para tornar sua imagem menos agressiva, mais palatável aos que o atacam. Levar a uma universidade israelense um parlamentar conhecido por lutar a favor dos Direitos Humanos e militante da causa gay ajuda muito nessa tarefa. Ainda mais com os relatos amenos que Wylliys postou em seu Facebook, em tom menos crítico que se esperava.

Jean WyllysReprodução Internet

Mesmo tendo esses bons motivos para reclamar dos atos do deputado, os ataques a ele na internet são pesados demais. É como se Wyllys tivesse passado da posição de herói a vilão em dois tempos. Suas respostas em tom irônico, postadas pela assessoria de comunicação na internet, certamente não ajudam a aplacar os ânimos. Mas é preciso equilíbrio, algo muito escasso nos debates atuais. Não é por uma falha como essa que Wyllys deixa de ser um político de qualidade (considerado, aliás, o melhor deputado de 2015 pelos jornalistas que cobrem o Congresso).

Menos que o futuro de Jean Wyllys, o episódio importa por mostrar mais uma vez a tendência que a esquerda tem para a autofagia. Nem é necessário à direita muito esforço para criar obstáculos ao seu oponente. Ele mesmo se encarrega de criá-los. Traumatizados com a experiência petista, que de tão flexível acabou por desvirtuar o partido, muitos da esquerda fazem ataques desproporcionais a Wyllys, como se tivesse feito algum pacto com o diabo. Não é isso tudo. Os simpatizantes da direita devem estar se divertindo muito com o bate-boca.

Mas, de qualquer forma, se a intenção do governo israelense era passar uma imagem simpática, a reação negativa á viagem do deputado do Psol fez o tiro sair pela culatra.

POR TRÁS DA TRIBUNA

Um dos principais articuladores na Assembleia Geral da ONU, em 1947, em que foi votado o plano que culminou coma criação do Estado de Israel, Osvaldo Aranha era um homem dado a frases espirituosas.

Em uma delas, resumiu seu conceito sobre a abundância de recursos brasileiros, tão grande que para ele fariam do país uma nação forte se os políticos não atrapalhassem: "O Brasil evolui enquanto dorme", afirmou.

Infelizmente, alguns políticos acordam cedo e insistem em barrar essa evolução.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia