Por tamyres.matos

Marcado para setembro, o Rock in Rio já está mexendo com a criatividade de marcas que se associaram ao festival com o objetivo de garantir maior visibilidade e também aumentar sua participação de mercado no país. Nesta terça-feira, a organização do evento vai divulgar a lista de produtos licenciados que vão levar o símbolo do Rock in Rio em suas embalagens. E o setor de bebidas está investindo fortemente nisso.

Produtos licenciados com a marca do festivalDivulgação

A Bacardi Brasil, depois de anunciar parceria com a organização do festival e comprar uma cota de apoio, lança em junho uma edição especial de sua bebida voltada para o público jovem. O Bacardi Big Apple, um rum com sabor de maçã verde, será vendido em supermercados, lojas e bares em todo o país. A edição é limitada e fica nas gôndolas até meados de setembro.

“Estamos com uma grande expectativa, já que acreditamos que a edição especial vai se tornar um item de desejo entre os amantes da marca e da música.Para criá-la, a Bacardi buscou inspiração nos elementos gráficos do Rock in Rio e fez uma composição dos símbolos principais das duas marcas”, diz Nortpool Furlani, diretor de Marketing da Bacardi PUB, Paraguai, Uruguai e Brasil.

Furlani explica que a edição especial faz parte do plano estratégico da marca que visa consolidar a liderança no segmento de rum. O produto respondia por cerca de 10% das vendas da Bacardi Brasil em 2010, quando sofreu alteração da embalagem, do rótulo e da fórmula. Hoje, a marca Big Apple representa 50% das vendas da empresa por aqui.

E para quem pensa que cachaça e rock não combinam, a Seleta também faz sua aposta no festival de música. Vai anunciar na terça-feira o lançamento da Seleta Rock in Rio, também em edição limitada. A garrafa da tradicional cachaça mineira será vendida em bares e supermercados ao preço médio de R$ 26.

O argumento dos proprietários da Seleta é que, assim como o festival se tornou uma marca brasileira com reconhecimento mundial, com a cachaça acontece o mesmo no mercado externo.

De acordo com a Associação Brasileira de Licenciamento (Abral), o faturamento do setor em 2012 foi de R$ 7,5 bilhões no varejo e R$ 250 milhões em royalties. O Brasil é o quinto país em faturamento de licenciamento de marcas no mundo, atrás de Estados Unidos, China, Canadá e México. Cerca de 70% desse mercado é ligado ao entretenimento.

Você pode gostar