Inadimplência tende a cair, diz Banco Central

Análise de perfil de clientes e garantias contribuem para queda da inadimplência, disse chefe do Departamento Econômico

Por helio.almeida

Brasília – A inadimplência deve continuar a cair, de acordo com avaliação do chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel. Segundo dados do BC divulgados nesta sexta-feira, a inadimplência - considerados os atrasos acima de 90 dias - do crédito de todo o sistema financeiro caiu 0,2 ponto percentual para as empresas (2,1%) e 0,3 ponto percentual para as famílias (5%).

A inadimplência do crédito livre para pessoas físicas também caiu 0,3 ponto percentual, para 7,2%, o menor patamar desde agosto de 2011 (7,1%). No caso das empresas, houve redução de 0,2 ponto percentual para 3,5%. A inadimplência do crédito com recursos direcionados ficou em estável para as empresas em 0,6% e caiu 0,3 ponto percentual para as famílias (1,8%).

Para Maciel, a educação financeira e a maior seletividade dos bancos, com melhor análise de perfil dos clientes e das garantias, contribuem para a queda da inadimplência. Maciel citou também o crescimento do emprego e da renda, o que garante condições para que os consumidores e empresas honrem compromissos.

Segundo Maciel, os atrasos de 15 a 90 dias indicam a tendência de continuidade da queda da inadimplência. “Esses atrasos também têm recuado. Isso é um indicativo de que a inadimplência deve permanecer com a evolução favorável”, disse.

De maio para junho, esses atrasos caíram 0,3 ponto percentual, para 6,5%, o menor patamar da série histórica do BC, iniciada em março de 2012.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia