Gilberto Braga: De olho no Natal

Quando você chega ao mercado e encontra o quilo do pão francês custando entre R$ 8 e R$ 15, percebe que alguma coisa não está fazendo sentido

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - Quando você chega ao mercado e encontra o quilo do pão francês custando entre R$ 8 e R$ 15, percebe que alguma coisa não está fazendo sentido e que a consequência será uma mordida maior no saldo do seu cartão bancário. Na verdade, isso tudo já é uma parte do efeito do aumento do dólar, que subiu quase 20% até agora.

O preço do trigo, que é matéria prima do pão e biscoitos, subiu por ser comprado no exterior. A elevação da moeda norte americana, que é usada como referência nas transações comerciais internacionais mexe com o preço do item e vai encarecer o Natal do brasileiro, se a cotação se mantiver acima de R$ 2,30. Dá para perceber que os itens importados, como bacalhau, nozes, castanhas portuguesas, avelãs, e vinhos deverão ficar de 5% a 10% mais caros.

No entanto, o que talvez não seja tão óbvio, é que os principais presentes de Natal dos últimos anos também terão seus preços reajustados. Tratam-se dos eletrônicos em geral e, em particular, do telefone celular de toque deslizante e com acesso a internet, o mais desejado. Talvez seja cedo, mas se você puder, fica a dica: devagarzinho, antecipe as compras de fim de ano enquanto ainda é possível encontrar estoques antigos com preços mais em conta.

Gilberto Braga é professor de Finanças do Ibmec

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia