Agosto tem alta de juros

Com taxas médias em 5,51%, especialista orienta que não é hora de fazer novas dívidas

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - Agosto registrou as taxas de juros de operações de crédito mais altas desde novembro do ano passado. A constatação foi feita pela pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) divulgada ontem sobre juros médios. O índice geral passou de 5,48% ao mês em julho para 5,51% em agosto. É a quarta alta no ano.

Para o coordenador de estudos econômicos da entidade, Miguel Ribeiro de Oliveira, a elevação pode ser atribuída ao último aumento da Taxa de Juros Básica, a Selic, promovida pelo Banco Central, de 8,50% ao ano para 9% ao ano.

Henri Figueiredo deixou de usar cartão de crédito após pagar dívidasEstefan Radovicz / Agência O Dia

“Tudo indica que as taxas de juros das operações de crédito voltem a ser elevadas no próximo mês, já que o Copom (Comitê de Política Monetária) deu sinais, em sua ata, que haverá novo aumento da Selic”, avalia.

O economista disse que o momento não é de fazer mais dívidas. “Ideal é esperar para fazer empréstimo. Entrar no cheque especial e no rotativo do cartão de crédito muito menos”, aconselha Oliveira.

Das seis linhas de crédito para pessoa física pesquisadas, uma ficou estável (cartão de crédito rotativo) e cinco foram elevadas (juros do comércio (de 4,10% a 4,11%), cheque especial (7,77% a 7,81%), CDC-bancos-financiamento de automóveis (1,58% / 1,61%), empréstimo pessoal-bancos (3,08% / 3,10%) e empréstimo pessoal-financeiras (6,99%/7,03%)).

O jornalista Henri Figueiredo, de 40 anos, deixou de usar cartão de crédito após levar quatro anos para sair do vermelho. “Fiz dívida maior do que podia pagar”, disse.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia